A  TEOLOGIA  MORAL

A Teologia Moral é a ciência que se ocupa do estudo sistemático dos princípios éticos da doutrina sobrenatural revelada.

A mensagem evangélica, essencialmente, está ligada a uma ética, ao lado das verdades factuais. A doutrina revelada, no seu conjunto, é uma ética, pois apresenta as normas exigidas para o relacionamento entre os homens e Deus - através das leis reveladas aos patriarcas e das leis reveladas por Cristo. São preceitos morais transmitidos aos homens em sucessivos pactos celebrados entre Deus e Seu Povo, como narrados no Antigo Testamento. As verdades, portanto, que devem ser praticadas no cotidiano como expressão da plena aceitação da mensagem evangélica pelos homens.

Os Mandamentos de Deus fazem parte da doutrina sobrenatural revelada; doutrina confirmada solenemente pelo magistério da Igreja. São, por conseguinte, dogmas morais. Constituem a base sólida, o fundamento seguro, da doutrina moral da Igreja Católica.

A moral é o conjunto das normas que têm como objetivo a perseverança dos homens na justiça. É a forma pela qual os homens se tornam crescentemente santos e justos pelas obras; ou seja, o progresso espiritual sob a graça - a cooperação do homem com a vontade e com a obra divina.

Sem a observância dos Mandamentos divinos não podemos agradar a Deus e persistir sob a graça.

Esta cooperação com a vontade de Deus se faz no âmbito religioso e no âmbito da sociedade temporal. Como ser social que é, o homem possui obrigações para com os demais e é, também , titular de direitos a serem respeitados pelas instituições públicas e pelos demais membros da sociedade.

Assim fala o Catecismo da Igreja sobre a Lei moral: ( §1951 )" A lei é uma regra de comportamento promulgada pela autoridade competente em vista do bem comum. A lei moral supõe a ordem racional estabelecida entre as criaturas, para seu bem e em vista de seu fim, pelo poder, pela sabedoria e pela bondade do Criador.

Toda lei encontra na lei eterna sua verdade primeira e última. A lei é revelada e estabelecida pela razão como una participação na providência do Deus vivo, Criador e Redentor de todos. "A esta ordenação da razão dá-se o nome de lei": Apenas o homem, entre todos os seres vivos, pode gloriar-se de ter sido digno de receber de Deus uma lei. Animal dotado de razão, capaz de entendimento e discernimento, regulará sua conduta dispondo de liberdade e de razão, na submissão àquele que tudo lhe confiou. "

Sobre a lei moral natural: "O homem participa da sabedoria e da bondade do Criador, que lhe confere o domínio de seus atos e a capacidade de se governar em vista da verdade e do bem. A lei natural exprime o sentido moral original , que permite ao homem discernir, pela razão, o que é o bem e o mal, a verdade e a mentira. A lei natural se acha escrita e gravada na alma de todos e de cada um dos homens, porque ela é a razão humana ordenando fazer o bem e proibindo pecar. (...) Mas esta prescrição da razão não poderia ter força de lei se não fosse a voz e o intérprete de uma razão mais alta, à qual nosso espírito e nossa liberdade devem submeter-se (§1954)"

"A lei "divina e natural" mostra ao homem o caminho a seguir para praticar o bem e atingir seu fim. A lei natural enuncia os preceitos primeiros e essenciais que regem a vida moral" (§1955 - Catecismo 1992)

A transgressão das leis de Deus implica na perda do estado de graça ou na sua forte debilitação.

Todos os aspectos da vida humana remetem para a ética cristã ; que tem como base a vontade de Deus para as nossas condutas e para os nossos pensamentos , a partir das leis eternas reveladas .

A Igreja com a autoridade e o poder a ela confiados por Cristo, aprofunda essa doutrina moral em diversos aspectos. Como, por exemplo , na questão da pobreza que atinge milhões de pessoas , nos problemas específicos da mulher , dos idosos, dos doentes , dos indígenas, dos jovens e assim sucessivamente.

Na própria ordem natural, Deus inscreveu a chamada lei moral natural que deve ser respeitada por todos, e , principalmente , por aqueles que não conheceram a mensagem evangélica, pois também são critérios a serem usados por Deus no julgamento dos homens.

Os católicos , portanto , devem rejeitar o relativismo moral e também a chamada ' moral da situação '; porque efetivamente a sua doutrina possui verdades morais absolutas, dogmáticas, que não estão ao sabor dos modismos que dominam as sociedades, em cada contexto histórico.

O aborto, a eutanásia, o uso de métodos contraceptivos, a clonagem humana, o genocídio, a guerra justa, a pena de morte, a união civil homossexual, são temas bastante atuais que ocupam posição central nas análises da teologia moral.

A Igreja afirma o seu direito perante o poder civil e o seu dever inalienável, de levar a Boa Nova a todos os homens, e o dever dos homens de perseguir a verdade e de abraçá-la quando a encontrarem.

A questão moral é o cerne da problemática soteriológica, pois a salvação depende da nossa conduta, após a justificação recebida com a graça do batismo. O objetivo da ciência moral é levar as virtudes cristãs à excelência.

Conhecer, portanto, a doutrina moral da Igreja é fundamental para que possamos viver uma vida cristã em plenitude , até o fim de nossas vidas.

"Pela lei vem o conhecimento do pecado", diz o apóstolo Paulo , e complementa: "Eu não conheci o pecado senão pela lei; porque eu não conheceria a concupiscência, se a lei não dissesse 'Não cobiçarás'" (Romanos 3,20; 7,7)

Everton Jobim