SANTO AFONSO: TEÓLOGO DA MORAL

A Teologia Moral é uma ciência que estuda como o cristão deve agir na vida concreta, para ser coerente com sua vocação cristã. S. Afonso de Ligório é, na Igreja, o padroeiro dos que se dedicam a esse estudo. De fato, este santo doutor foi um grande figura da Teologia Moral, no século 18; e deixou marcas importantes até hoje. Naquele tempo, a moral cristã enfrentava alguns desafios particulares: estava muito marcada por leis e prescrições; estava elitizada, isto é, se perdia em muitas teorias e em linguagem sofisticada; era muito rigorosa e fazia ver pecado em tudo; mostrava Deus como Alguém carrancudo e vingativo; e além de tudo isto, andava bastante distanciada do testemunho de vida, pois os pobres, especialmente na região de Nápoles onde Afonso vivia, estavam totalmente abandonados, enquanto o clero se preocupava com o carreirismo e vida garantida.

 

É neste contraponto que S.Afonso chegará a escrever uma importante obra chamada Theologia Moralis, que teve muitas edições e marcou época. Mas sua contribuição no campo da moral não se reduz a esta obra, como também ela não se entende sem o conjunto de suas propostas teológicas e de seu testemunho de vida. Exímio advogado, respeitadíssimo, abandonou os tribunais repudiando a corrupção jurídica de seu tempo. Sentiu-se então chamado por Deus a repartir sua vida e sua ciência com os pobres.

 

Esta escolha marcou suas obras e sua vida. De fato, ao escrever a obra Theologia Moralis, Afonso não pensava propriamente em fazer teorias, buscando ser um intelectual. Sua obra começou com o propósito de preparar o clero, em especial os seminaristas e padres de sua Congregação, para atenderem bem o povo, com muita caridade e compreensão pastoral, sem rigorismos e de uma forma construtiva. Dá até para dizer até que ele visava defender as pessoas simples e pobres contra o rigorismo e os desmandos do clero. Isto quer dizer que a Teologia Moral de S.Afonso está marcada pela misericórdia, pela bondade, pelo acolhimento das pessoas.

 

Mas nada disto enfraquece o vigor téorico e científico de sua obra. Afonso escreveu com profundo rigor científico, consultando cerca de 800 diferentes autores para fazer suas afirmações. Escreveu.além disto, muitas outras obras em que aparecem melhor suas propostas para a vida cristã.

 

Entre as principais características que marcam sua Teologia Moral está a figura de Deus. Em uma obra intitulada "Prática de amar a Jesus Cristo", S.Afonso fala do amor "louco" e apaixonado de Deus por nós, revelado em Jesus. Ele acentua o movimento de encarnação de Deus entre nós, nascendo pobre, dando sua vida na cruz e completando sua loucura de amor através da presença eucarística para ser nosso alimento de vida. Substitui portanto a figura carrancuda de Deus por outra infinitamente amorosa. E propõe a moral como uma instância de misericórdia e salvação; um lugar de aprendizado do amor; e não um conjunto de mandamentos feitos para proibir, incriminar e condenar.

 

Ele resgata também a dignidade da pessoa humana como sujeito responsável na ação moral: afirmava que a retidão da consciência já é um profundo louvor a Deus e portanto exime de pecado. Este foi um de seus grandes argumentos na defesa dos pobres, que eram taxados de pecadores por serem limitados e ignorantes. De fato, S.Afonso foi muito respeitoso das pessoas se opondo terminantemente à discriminação dos pobres. Chegou mesmo a ser rigoroso contra os padres que falam difícil e rebuscado, complicando a compreensão por parte das pessoas mais simples. Para ele, a moral se constrói a partir da formação das pessoas e não através da imposição de normas e mandamentos.

 


Por outro lado, com muito realismo, Afonso se defrontou também com as fraquezas humanas, os pecados e fracassos. Junto com o arrependimento e propósito de mudança, ele propôs algo bem ao alcance de todos: a oração confiante. Dizia simplesmente: "Quem reza se salva, quem não reza se condena". E completou este quadro de confiança com a recomendação de se buscar na Mãe de Deus e nossa Mãe a acolhida carinhosa e intercessora. Ficam assim evidentes as características de misericórdia, bondade e salvação da moral alfonsiana.

P. Márcio Fabri dos Anjos, C.Ss.R.