SÃO SÉRGIO

Há muitos santos com o nome de Sérgio na história da Igreja. O nome é muito popular principalmente nas regiões eslavas, justamente por causa do mais tradicional, Pai dos monges russos, que assim se chamava, e viveu na Rússia setentrional. Morreu em 1392.

Este Sérgio mais popular, entretanto, foi um reformador da vida monástica na Rússia. Nasceu em 1314 e era filho de nobres que viveram nos arredores de Moscou.

Há também o papa Sérgio I. Foi o último papa do Século VII e governou a Igreja entre 15 de dezembro de 687 e 8 de setembro de 701. Foi eleito por ser considerado um padre humilde e santo, em contrapartida à eleição de dois outros candidatos, que os bispos não concordavam em elevar ao cargo.

Assim, Sérgio ficou com o trono de Pedro e os dois concorrentes, Pascoal e Teodoro, passaram para a história como anti-papas.

Um dos fatos marcantes de sua vida foi, além de enfrentar os anti-papas em Roma, confrontar-se com o Imperador Justiniano II. O governante queria que ele tomasse atitudes políticas favoráveis ao poder reinante e ele respondeu que preferia morrer a consentir num erro.

Nesta data se homenageia também São Sérgio Mártir da Cesaréia, na Capadócia. Foi um renomado e venerado eremita, no tempo do Imperador Diocleciano.

Este imperador queria que todos os cristãos prestassem homenagem ao deus pagão Júpiter, no dia de sua festa. Sérgio, só com sua presença, fez o fogo do ritual se apagar, levando o povo pagão a achar que seu deus estava bravo com a presença dos cristãos.

Sérgio disse que não temia aquele deus, por ser impotente diante do verdadeiro Deus. Acabou sendo decapitado por isso.

Seu corpo repousa na Espanha.