SÃO  AMBRÓSIO

Santo Ambrósio nasceu em Treves pelo ano 340. Ainda era catecúmeno, quando por aclamação popular tornou-se bispo de Milão, Itália. Estava ainda por aprender quase tudo em relação a religião cristã. Se dedicou sobretudo ao estudo da Sagrada Escritura, com tanto empenho que logo a dominou. Santo Ambrósio não era um intelectual puro; mas um ótimo administrador da comunidade cristã confiada a ele. Tornou-se um verdadeiro pai espiritual dos jovens imperadores Graciano, Valentiniano II e do temível Teodósio I que não hesitou em repreender asperamente, exigindo dele uma penitência pública de expiação quando, para conter uma revolta, fez massacrar a população de Tessalônica. Santo Ambrósio é o símbolo da igreja renascente após os sofridos anos de vida escondida e das perseguições romanas. Por meio dele a Igreja de Roma tratou sem servilismo com o poder público. Foram as suas qualidades pessoais que impuseram o bispo de Milão à devota atenção de todos. Sua atividade diária era dirigida antes de tudo à orientação da própria comunidade, e ele cumpria as suas tarefas pastorais dirigindo ao seu povo mais de uma homilia por semana.

Santo Agostinho foi seu ouvinte assíduo, como refere-nos em suas “Confissões”; tendo sido batizado por Santo Ambrósio. Os seus livros publicados e que chegaram até nós, são apressadas transcrições de discursos, pouco ou nada revisados. Os seus célebres “Comentários exegéticos”, antes de serem reunidos em volumes, tinham sido pregados à comunidade cristã de Milão. Aí encontramos o tom familiar do pastor que se dirige com muita simplicidade e amor ao seu rebanho. Sente´se aí palpitar o coração de um grande bispo, que consegue suscitar a comoção nos ouvintes com argumentações carregadas de emotividade e de interesse. Gostava de fazer o seu povo cantar e compôs um bom número de hinos, alguns dos quais ainda hoje são bastante familiares na liturgia ambrosiana. Foi ele que introduziu no Ocidente o canto alternado dos salmos. Entre os seus escritos ainda encontramos aqueles que não têm uma relação direta com a sua pregação, como o “Deveres dos Ministros”, enfatizando o conhecido texto de Cícero, acolhendo todos os elementos e demonstrando que o cristianismo pode assimilar sem perigo de alterar o significado da Boa Nova os valores morais naturais que o mundo pagão, o romano em particular, soube expressar. Santo Ambrósio morreu em Milão no dia 4 de abril do ano 397 e sua festa litúrgica é celebrada no dia 7 de dezembro.