SABER, PODER, QUERER:

A TRILOGIA DO EMPREENDEDORISMO

A fim de facilitar a compreensão deste tema, proponho uma analogia com o “triângulo do fogo”. Para que o fogo exista é necessário o concurso de três elementos: o comburente (ou oxigênio), o combustível (madeira, papel, derivados de petróleo etc.) e o calor. Basta eliminar um destes elementos para extinguir o fogo. Comparativamente, quando se quer empreender algo é necessário conjugar articuladamente os verbos saber, poder e querer. Se vier a faltar um dos três, o empreendimento estará fadado ao fracasso.

Vamos examinar o papel de cada ingrediente desta trilogia e, posteriormente, como os três se complementam.

SABER – é o componente cognitivo, que garante o acesso a dados, informações e conhecimentos que as pessoas possuem de forma sistematizada, bem como, as correlações que conseguem fazer com elas, de modo a garantir os pré-requisitos indispensáveis para uma ação consciente e responsável.

 

PODER – é o modo como colocamos em prática o conteúdo internalizado, seja da experiência anterior, seja do conhecimento adquirido. Este ingrediente pode ser desdobrado em outros dois: a) poder no sentido de capacidade e b) poder no sentido de permissão. Nos idiomas inglês e alemão, por exemplo, há dois verbos diferentes para expressar estes diferentes sentidos. Mas, como na língua portuguesa temos apenas um verbo, vamos explorar os dois sentidos consolidados neste único termo:

Capacidade – envolve a habilidade e a destreza para realizar uma atividade.

Permissão – corresponde à autorização, da parte de quem detém poder, para que alguém possa tomar iniciativa antes de realizar algo.

QUERER – é o componente volitivo deste triângulo e está ligado à nossa vontade de concretizar uma ação. Podemos também correlacionar este verbo ao aspecto motivacional (nosso motivo para a ação) que nos retira do equilíbrio estático e nos impele à conquista de um objetivo. Esta dimensão psicológica determina quanto uma pessoa está disponível para envolver-se com uma dada situação.

Agora vamos explorar as alternativas de combinação aos pares destes três ingredientes e suas conseqüências:

1 - SABER + PODER - eu sei e posso, mas não quero – seja por uma opção consciente, seja por auto-sabotagem inconsciente, eu não me mobilizo para concretizar um objetivo e, por conseguinte, tal projeto não sairá do papel.

2 - SABER + QUERER – eu sei e quero, mas não posso. Aqui vale a pena explorar os dois sentidos do verbo poder, anteriormente citados. Se eu não posso por falta de capacidade, tal carência me exclui de realizar um determinado empreendimento por ausência de expertise. Se, por outro lado, o que falta é autorização, embora esteja capacitado, me abstenho de tomar a iniciativa, por medo das conseqüências ou por submissão à autoridade.

3 - PODER + QUERER – eu posso e quero, mas não sei. Apesar de poder (em ambos os sentidos) e querer, a ausência do saber tenderá a prejudicar a ação por desconhecimento de fórmulas e processos que garantam qualidade assegurada e rastreabilidade.

CONCLUINDO: Esta reflexão tem a finalidade de ensejar um planejamento consciente de suas ações e, em caso de fracasso, viabilizar um diagnóstico sobre o ingrediente faltante da referida trilogia. Portanto, para garantir o sucesso de seus projetos procure manter a “chama acesa” do triângulo do empreendedorismo.

Américo Marques Ferreira - consultor sênior do Instituto MVC