TPM à vISTA

Dor, estresse, irritação e, o pior de tudo, mal-humor. Esse é o quadro de uma mulher com tensão pré-menstrual, a famosa TPM. Obrigadas a continuar com o ritmo de trabalho e os afazeres domésticos durante esse período, muitas vezes as mulheres demonstram na prática a vontade de quebrar tudo e brigar com todos.

Muitas mulheres alegam não sofrer desse problema. Sorte a delas! Quem tem TPM e, mais ainda, quem convive com quem tem TPM, deve ter muita paciência. Tudo fica horrível: a comida sem gosto, as costas e o corpo doendo, as emoções à flor da pele. Normalmente, os namorados, maridos ou filhos são as principais vítimas, já que são os primeiros a ouvir as reclamações e agressões.

Embora o período pré-menstrual seja largamente conhecido como TPM, a ginecologista Luciana Taleb Rassi afirma que os especialistas preferem SPM, de síndrome pré-menstrual, pois a tensão é apenas um de seus mais de 150 sintomas. Luciana explica que não existe uma causa específica que provoque a TPM, mas que ela é um conjunto de fatores. Alguns estudiosos acreditam que a síndrome seja resultado de alterações hormonais provocadas pela segunda fase do ciclo menstrual – ou fase lútea. Ela também cita pesquisas que dizem que a TPM pode estar relacionada com alterações de outras secreções, não relacionadas diretamente com a menstruação, como os neuro-hormônios, responsáveis pela sensação confortável de bem-estar.

A também ginecologista Maria Consuelo Rocha completa, dizendo que a TPM é caracterizada por uma desordem hormonal no organismo feminino. Entre os sintomas que mais caracterizam a síndrome, figuram depressão, sentimento de desesperança, ansiedade, tensão, nervosismo, excitação, tristeza repentina, irritabilidade persistente, cansaço, falta de energia, inchaço, dor de cabeça, dores musculares e nos seios. Haja paciência para agüentar isso tudo.

Maria Consuelo afirma que os sintomas são mais pronunciados em mulheres com mais de 35 anos ou que tenham mais predisposição ao estresse ambiental, seja no trabalho, seja em casa. Para minimizar os sintomas, uma das dicas é manter uma alimentação balanceada, com a ingestão de muitas verduras e pouco sal, pois o mineral retém líquido no organismo e contribui ainda mais para o tradicional inchaço do período pré-menstrual.

Outra alternativa saudável para diminuir a TPM é a prática de exercícios físicos. "Ginástica é um fator importante", avalia Maria Consuelo. Luciana concorda e afirma que as atividades físicas são importantes para amenizar o problema. Com os exercícios, a pessoa libera mais endorfina, tipo de neuro-hormônio responsável pela sensação de bem-estar. Uma caminhada de uma hora por dia é suficiente para oxigenar o sangue e o cérebro, além de tonificar os músculos, fortalecer os ossos e regular o metabolismo do organismo. Por isso, é importante aliar a prática regular de exercícios, de três a cinco vezes por semana, a uma dieta balanceada, com aumento na quantidade de grãos, vegetais, frutas e diminuição de sal, açúcar, álcool e cafeína.

Entre as possibilidades de tratamento clínico, Maria Consuelo destaca que medicamentos podem ser utilizados em casos extremos, desde que sob orientação de um médico. A ginecologista Luciana explica ainda que deve ser feita uma individualização de cada caso, e medicamentos devem ser receitados de acordo com a necessidade de cada paciente. "Cada caso é um caso", justifica, utilizando-se de um velho jargão que não poderia ser mais verdadeiro.

Maria Consuelo lembra que o fator psicológico também contribui para a irritação e mal-humor das mulheres "naqueles dias". Nos piores casos, ela aconselha as pacientes a fazer tratamento concomitante com algum psiquiatra ou psicólogo, que ficaria responsável pelos cuidados com sintomas como depressão, ansiedade e desânimo, entre outros.

Outra alternativa para quem sofre com os sintomas pré-menstruais é o uso de pílulas anticoncepcionais que impedem a menstruação, suspendendo a ovulação. Apesar de não aconselhar o uso indiscriminado, Maria Consuelo afirma que o método ajuda a mulher a se livrar da desagradável síndrome, além de ser bastante útil para quem tem vida muito ativa. Entretanto, ela lembra que esse tipo de anticoncepcional é rico no hormônio progesterona, o que faz com que, em alguns casos, haja uma maior retenção de líquidos. Por isso, existem mulheres que, quando tomam anticoncepcionais permanentes, têm maior tendência a ficarem inchadas. Já Luciana afirma que essa é uma alternativa relativamente nova e que deve ser indicada com cuidado.

TPM e crime

Muitos já são os casos de mulheres que cometem crimes e alegam, em sua defesa, que estavam com TPM. Maria Consuelo afirma que realmente é possível que a TPM influencie no processo emocional de uma mulher e a leve a cometer um crime não intencional. "Na Inglaterra, a TPM é fator atenuante em julgamentos de crimes. Na França, é possível alegar insanidade mental por causa da TPM", exemplifica. De acordo com o livro Só para mulheres, da jornalista Sônia Hirsch, uma pesquisa feita em um presídio feminino dos Estados Unidos mostrou que 50% das presas cometeram os crimes no período pré-menstrual. Melhor tomar cuidado com elas.

Liliane Bello