ENJÔO  É  "PROTEÇÃO" À  MULHER  GRÁVIDA

Os enjôos comuns nos primeiros três meses de gravidez podem ser um mecanismo da natureza para evitar que mulheres grávidas comam muitos alimentos pouco saudáveis, afirma um estudo publicado pela revista médica Royal Society's Biological Journal.

Os cientistas encontraram evidências de que a náusea e os vômitos durante a gravidez estão associados ao alto consumo de açúcar, álcool, óleos e carne.

Em contraste, os cereais são os alimentos com menor tendência a provocar enjôos.

Os cientistas da Universidade de Liverpool, na Inglaterra, analisaram 56 estudos anteriores realizados em 21 países.

Os enjôos ocorrem durante os três primeiros meses de 80% das gestações.

Até pouco tempo atrás, pensava-se que eles era consequência das dramáticas mudanças hormonais durante o início da gravidez.

Mas a pesquisa indica que os enjôos podem ter consequências positivas, como a redução do risco de abortos naturais.

Toxinas

Os pesquisadores acreditam que é possível que o corpo das grávidas tenha desenvolvido uma aversão aos alimentos com altos níveis de toxinas, e que esta evolução estaria presente até hoje.

Eles sugerem que o corpo pode rejeitar carne por causa do relativo alto risco de que ela esteja contaminada com agentes causadores de doenças.

Por outro lado, o baixo nível de toxinas nos vegetais pode torná-los menos propensos a causar enjôos.

Mas os cientistas afirmam que a rejeição do corpo a açúcares e óleos é mais difícil de explicar.

O pesquisador chefe, Craig Roberts, disse que "enquanto não há nenhum dano particular em comer, digamos, carne, agora que temos geladeiras e prazos de validade, nosso corpo pode estar pré-programado pela evolução para evitar esses alimentos, em particular no primeiro trimestre"

"Pode ser que a náusea que as mulheres sentem em relação a algumas comidas seja útil, e que apesar de ser inconveniente e miserável, esta náusea pode ser o modo de a natureza evitar problemas na gravidez tanto para a mãe como para o feto."

A médica Maggie Blott, obstetra do Hospital King's College, de Londres, disse que entende as razões da natureza.

"Os enjôos são sempre piores nos três primeiros meses, o período em que ocorre o desenvolvimento mais importante do feto".

Segundo a médica, apesar de a alimentação saudável ser importante, é ainda mais importante para as grávidas evitar o consumo de álcool, drogas e cigarro.

Também é importante tomar ácido fólico e evitar muita vitamina A.