Salmo 32 (31)
Ação de graças de um penitente

1 De Davi. Poema didático. Feliz aquele cuja culpa foi perdoada,
cujo pecado foi encoberto!
2 Feliz o homem, a quem o Senhor não inculpa de delito
e em cujo espírito não há falsidade!
3 Enquanto eu me calava, consumiam-se meus ossos,
torturando-me, todo o dia,
4 porque, dia e noite, tua mão pesava sobre mim;
minha seiva secava ao calor do verão.
5 Manifestei-te meu pecado e não encobri meu delito.
Eu disse: "Confessarei ao Senhor minhas ofensas",
e tu perdoaste a culpa de meu pecado.
6 Por isso todos os fiéis te supliquem no tempo propício para o encontro!
Mesmo se as águas caudalosas transbordarem, não os atingirão.
7 Tu és meu refúgio, tu me livras do perigo
e me circundas com cantos de libertação.
8 "Eu te instruirei e te mostrarei o caminho a seguir,
eu te aconselharei, tendo os olhos sobre ti.
9 Não sejas irracional como o cavalo ou a mula
cujo brio se doma com freio e cabresto,
do contrário não se aproximam de ti!"
10 Muitos sofrimentos aguardam o ímpio,
mas a misericórdia do Senhor envolve a quem nele confia.
11 Alegrai-vos no Senhor e exultai, ó justos,
e cantai de júbilo vós todos, de coração reto!

 

Salmo 38 (37)
Oração de um pecador penitente

1 Salmo de Davi. Em comemoração.
2 Senhor , não me repreendas com ira, não me corrijas com cólera!
3 Cravaram-se em mim tuas flechas, tua mão abateu-se sobre mim.
4 Não há parte ilesa na minha carne, por causa de tua ira;
não há parte sã nos meus ossos, por causa de meu pecado,
5 pois minhas faltas sobrepujam minha cabeça
e, como um fardo pesado, excedem minhas forças.
6 Minhas chagas são pútridas e purulentas, devido à minha insensatez.
7 Ando encurvado e todo abatido; o dia inteiro, arrasto-me, sombrio,
8 pois os rins estão acometidos de febre,
e não há parte ilesa na minha carne.
9 Estou esgotado e, ao extremo, alquebrado;
solto rugidos por causa das mágoas do coração.
10 Senhor, todos os meus suspiros estão diante de ti,
e não te são ocultos meus gemidos.
11 O coração palpita, as forças me abandonam,
até a luz dos meus olhos se apaga.
12 Os amigos e companheiros recuam diante da minha chaga,
os parentes se mantêm à distância.
13 Armam laços os que atentam contra minha vida,
os que me querem mal anunciam desgraça
e, todo dia, propalam calúnias.
14 Mas eu, como um surdo, não ouço;
como um mudo, não abro a boca.
15 Sou como um homem que não entende
e não tem réplica na boca.
16 Em ti, Senhor, espero:
tu responderás, Senhor meu Deus.
17 Eu disse: "Não se alegrem à minha custa
nem triunfem sobre mim, quando meu pé vacilar!"
18 Estou a ponto de cair, e a dor sempre me acompanha.
19 Sim, confesso minha culpa, estou aflito em razão do meu pecado.
20 Os inimigos, cheios de vida, são poderosos,
e numerosos os que me odeiam injustamente,
21 os que me pagam o bem com o mal,
os que me atacam, quando procuro o bem.
22 Não me abandones, Senhor!
Meu Deus, não fiques tão longe!
23 Vem depressa em meu socorro, Senhor, minha salvação!

 

Salmo 51 (50)
Confissão do pecador penitente

1 Ao regente do coro. Salmo de Davi,
2 quando o profeta Natã veio ter com ele, depois do adultério com Betsabéia.
3 Tem piedade de mim, ó Deus, por tua bondade!
Por tua grande compaixão, apaga meus delitos!
4 Lava-me por completo da minha iniqüidade e purifica-me do meu pecado!
5 Pois reconheço meus delitos e tenho sempre presente o meu pecado.
6 Contra ti, só contra ti pequei, pratiquei o mal diante de teus olhos.
Serás considerado justo na sentença, incontestável no julgamento.
7 Eis que nasci em iniqüidade, em pecado minha mãe me concebeu.
8 Eis a verdade! tu a queres no fundo do coração:
ensina-me pois no íntimo a sabedoria!
9 Purifica-me com o hissope, e ficarei limpo!
Lava-me, e ficarei mais branco que a neve!
10 Faze-me sentir gozo e alegria, e exultem os ossos que esmagaste!
11 Desvia tua face de meus pecados e apaga todas as minhas faltas!
12 Ó Deus, cria em mim um coração puro
e suscita em meu peito um espírito resoluto!
13 Não me rejeites de tua presença nem retires de mim teu santo espírito!
14 Concede-me o gozo de tua salvação
e um espírito generoso que me ampare!
15 Ensinarei aos ímpios teus caminhos, e para ti voltarão os pecadores.
16 Livra-me da pena de sangue, ó Deus, meu Deus salvador,
e minha língua aclamará tua justiça.
17 Abre, Senhor, os meus lábios e minha boca proclamará teu louvor.
18 Não queres que eu te ofereça um sacrifício,
nem aceitarias um holocausto.
19 Em vez de sacrifícios, ó Deus, um espírito contrito,
sim, um coração contrito e humilhado tu, ó Deus, não rejeitas.
20 Em tua benevolência, favorece a Sião e reconstrói os muros de Jerusalém!
21 Então aceitarás os sacrifícios prescritos: holocaustos e oferendas completas,
como também novilhos, imolados sobre teu altar.

 

Salmo 106 (105)
Bondade do Senhor e infidelidade do povo

1 Aleluia! Dai graças ao Senhor , porque ele é bom,
porque eterno é seu amor.
2 Quem poderá contar as façanhas do Senhor
e apregoar todo o louvor que merece?
3 Felizes os que observam o direito e praticam a justiça em todo o tempo!
4 Por amor de teu povo, Senhor , lembra-te de mim,
vem visitar-me com tua salvação,
5 para que eu possa experimentar a dita dos eleitos,
regozijar-me com a alegria de teu povo e gloriar-me com tua herança!
6 Pecamos como nossos pais, cometemos a iniqüidade, praticamos o mal.
7 Nossos pais, no Egito, não deram atenção aos teus milagres;
esquecidos de teus inúmeros favores, rebelaram-se junto ao mar, o mar Vermelho.
8 Ele, porém, os salvou por causa de seu nome para manifestar seu poder.
9 Intimou o mar Vermelho, e ele secou;
conduziu-os pelas ondas como por um deserto.
10 Salvou-os das mãos daquele que os odiava,
resgatou-os do poder do inimigo:
11 as águas sepultaram seus perseguidores, sem que um só escapasse.
12 Então creram em suas palavras e cantaram seus louvores.
13 Bem cedo esqueceram suas obras e não confiaram em seus desígnios.
14 Deram largas à voracidade no deserto, e no ermo tentaram a Deus.
15 Concedeu-lhes o que reclamavam, mas, por sua gula, feriu-os de prostração.
16 No acampamento eles invejaram Moisés
e Aarão, o consagrado do Senhor .
17 A terra se abriu e tragou Datã e cobriu os seguidores de Abiram.
18 O fogo consumiu o bando, uma chama abrasou os ímpios.
19 Fizeram um bezerro em Horeb, adoraram um ídolo, feito de metal;
20 trocaram a glória divina pela imagem do boi, que come capim.
21 Esqueceram a Deus, seu salvador, que fizera prodígios no Egito,
22 maravilhas na terra de Cam, portentos junto ao mar Vermelho.
23 Ele pensava em exterminá-los; porém Moisés, seu eleito,
postou-se na brecha diante dele para conter sua ira destruidora.
24 Desprezaram uma terra invejável, não creram em sua palavra;
25 murmuraram nas tendas e desobedeceram à voz do Senhor .
26 Ele levantou a mão e jurou que os faria perecer no deserto,
27 que lançaria seus descendentes entre as nações
e os dispersaria pelos países.
28 Aderiram a Baal de Fegor e comeram do que era sacrificado aos mortos.
29 Provocaram-no com seus desmandos,
e uma peste irrompeu entre eles;
30 mas Finéias levantou-se e intercedeu, e a peste cessou,
31 o que lhe foi imputado como um ato justo, de geração em geração, para sempre.
32 Irritaram-no junto às águas de Meriba, e Moisés sofreu por causa deles;
33 por serem indóceis ao seu espírito, com seus lábios proferiu desatinos.
34 Não exterminaram os povos, como o Senhor lhes ordenara,
35 mas misturaram-se com os pagãos e adotaram seus costumes.
36 Prestaram culto aos ídolos, que foram para eles uma cilada.
37 Sacrificaram seus filhos e suas filhas aos demônios;
38 derramaram sangue inocente – o sangue dos filhos e das filhas,
que eles sacrificaram aos ídolos cananeus e o país ficou profanado com sangue.
39 Contaminaram-se com suas obras e se prostituíram com seus desmandos.
40 A ira do Senhor inflamou-se contra seu povo, e ele abominou sua herança.
41 Entregou-os nas mãos dos pagãos, e os adversários os dominaram;
42 o inimigo os oprimiu, e eles vergaram sob sua mão.
43 Muitas vezes os libertou, mas eles, obstinados, rebelavam-se
e mergulhavam cada vez mais na culpa.
44 Todavia deu atenção à sua angústia, quando ouviu seus gritos.
45 Recordou-se de sua aliança com eles
e, em sua grande bondade, deles se compadeceu.
46 Fez que obtivessem clemência perante os que os tinham deportado.
47 Salva-nos, Senhor nosso Deus: reúne-nos dentre os pagãos,
para darmos graças a teu santo nome e te rendermos glória e louvor!
48 Bendito seja o Senhor Deus de Israel, 
desde sempre e para sempre! E todo o povo dirá: "Amém! Aleluia!"

 

Salmo 130 (129)
Confiança no perdão divino

1 Cântico de peregrinação. Das profundezas clamo a ti, Senhor:
2 Senhor, escuta minha voz, estejam atentos teus ouvidos
à voz de minha súplica! 
3 Se levares em conta, Senhor , as iniqüidades, Senhor, quem poderá subsistir?
4 Mas contigo está o perdão, pelo que és reverenciado.
5 Espero pelo Senhor , espero com toda a minha alma
e aguardo sua palavra.
6 Minha alma espera pelo Senhor, mais que as sentinelas pela
aurora, sim, mais que as sentinelas pela aurora.
7 Espere Israel pelo Senhor , pois no Senhor há misericórdia,
e junto dele copiosa redenção.
8 Ele redimirá Israel de todas as suas iniqüidades.