01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13

BISPO  E  PASTOR

dos 41 anos em diante

Agostinho era um verdadeiro tesouro para a Igreja de Hipona, e o bispo o guardava com terna inquietude. Os fieis tinham medo de perdê-lo. Para prevenir todo perigo, Valério decidiu consagrá-lo bispo, designando-lhe logo como sucessor na sede de Hipona. Isto era contrário não só aos costumes africanos como também às determinações do Concílio de Nicéia. Os méritos de Agostinho, porém, eram tão grandes que bem mereciam uma exceção à regra.

Certo dia em que havia se reunido um bom número de bispos dos arredores e, estando de comum acordo com o bispo primado de Cartago, Valério declarou publicamente, na Igreja, sua intenção de associar Agostinho como bispo coadjutor.

O povo acolheu a notícia com imensa alegria. O único que se opôs, movido por certos rumores e fofocas, foi Megálio, bispo primado de Numídia. Mas logo se deu conta de que eram calúnias o que houvera e, havendo pedido perdão a Agostinho e seus colegas, ele mesmo o consagrou., tornando-o bispo de Hipona. Era o ano 395. Quatro anos, portanto, depois da ordenação sacerdotal.

Agostinho considerou sua consagração episcopal como uma pesada carga que, só por obediência à Igreja, poderia suportar. No fundo, depois de sua conversão, não desejava outra coisa a não ser o sossego e a solidão na meditação de Deus. Só por isso havia abandonado toda glória literária que o esperava. Obrigado pelas circunstâncias e mudar de vida, começou logo a ver em suas novas obrigações um novo meio de elevação e penitência, uma espécie de purificação heróica de todas as suas faltas passadas. Já não pensava em si. Tampouco pertencia a si próprio.

Aceitando o episcopado, se entregou por completo à Igreja. As almas, vítimas do erro e da luta interior, tinham necessidade dele. Dedicou, então, todo o tesouro de sua eloqüência, parar convence-las e curá-las. A Igreja se sentia assediada e ameaçada por mil inimigos. Agostinho se apressou em empunhar as armas de sua palavra e luta, sem descanso, em prol da glória e do triunfo de Cristo. Bispo, pastor, diretor de almas: Agostinho não queria ser mais que isto. A essa causa entregou os 35 anos restantes de sua vida.

Agostinho, como bispo de Hipona, sentia-se um grande proprietário, pois a diocese possuía muitas casas, enquanto muitos pequenos artesãos estavam quase morrendo de fome e miséria. O bispo precisava desenvolver toda sua habilidade para socorrer e alimentar tantos pobres na sua diocese. a partir do nosso ponto de vista moderno, não podemos nos dar conta claramente sobre este ministério puramente material que o bispo de Hipona exercia entre os membros mais necessitados da comunidade.

Além disto, Agostinho, em virtude das recentes constituições imperiais, tinha sobre os cristãos uma certa jurisdição nos assuntos civis. Por isso, todos os dias precisava ouvir as demandas e litígios e pronunciar as sentenças. O bispo recebia todos que se aproximassem dele. Sua casa estava sempre cheia de gente que buscava um conselho ou queriam dar um jeito em suas causas demandas e litígios.

Um dos principais ofícios do bispo era a pregação. Nela resumia e compendiava todo seu ministério apostólico. Agostinho pregava todos os dias. Em algumas ocasiões até mesmo várias vezes ao dia, apresar de sua precária saúde. Em conseqüência disto, seu peito frágil e a debilidade dos seus pulmões se ressentiam com esse exercício fatigante. Às vezes, se via obrigado a exigir um absoluto silêncio, já que sua fraca voz não podia ser escutada se continuassem comentando suas palavras.

O povo o escutava com curiosidade, simpatia, satisfação... E manifestava, com plena liberdade, suas próprias opiniões. Ora gritava, ora aplaudia, às vezes interrompia com aclamações ao pregador. Inclusive alguns começavam a discutir com ele e pediam explicações de alguma passagem bíblica. Agostinho vigiava continuamente seu auditório para não fatigá-lo. Às vezes pedia perdão se prolongava muito seu discurso, ou manifestava uma humilde preocupação ante os louvores e aplausos na Igreja.

Preocupava-se com os sentimentos do povo tal como se refletia em seus gestos e olhares. Cuidava para não cansá-los e conquistava seus corações com o atrativo da palavra e de sua eloqüência. Agostinho sabia chegar ao íntimo de seus ouvintes. Sua pregação não era seca, nem se  reduzia a um frio comentário de salmos ou dos livros da Bíblia. Sua erudição bíblica estava semeada de comparações tomadas da vidas corrente, dos costumes populares, de parábolas e exemplos da vida de todos os dias: a verde campina que rodeava Hipona, os burrinhos que brincavam pelo caminho, o calor do clima africano, com sua comitiva de mosquitos, as corridas de cavalo, os combates das feras e gladiadores no circo... Tudo oferecia ao pregador, eloqüente e sábio, uma ocasião para tornar mais suaves, mais variada e mais amável sua palavra e a exposição das verdades sagradas. Dizem que Agostinho foi o mais sábio dos santos, o mais santo dos homens e o mais humano dos santos. Sua abnegação aparecia especialmente no modo como cumpria seu dever de diretor de consciência: neste assunto, se via obrigado a doar-se inteiramente às almas; estava sempre disposto a responder a todos, fosse por carta ou pessoalmente.

O bispo possuía umas qualidades excepcionais para impor a observância da disciplina cristã num ambiente em que inclusive os cristãos, se mantinham mais ou menos ligados às praticas de superstições pagãs.

As ocupações que pesam sobre o bispo de Hipona lhe absorvem todo o tempo. Cada uma delas bastaria para ocupar toda a atividade de um homem. Mas esta longe de encher a vida de Agostinho.

Naquela época um bispo tinha muitos outros ofícios. Além da administração dos bens de sua igreja, a presidência de um tribunal, o cuidado de seus pobres, das viúvas e dos órfãos, devia também celebrar os ofícios litúrgicos, anunciar a seu povo a Palavra de Deus, visitar sus Diocese, converter os pagãos e hereges, tomar parte nos concílios, etc. E Agostinho fazia tudo isto. Quando terminava, não se dava o direito de descansar, já que as circunstâncias faziam dele, o bispo de uma cidade secundária, o chefe espiritual de toda a Igreja de África e, inclusive, doutor da Igreja Universal.

Oficialmente, Agostinho não possuía outro título senão o de bispo de Hipona. Estava mais ou menos subordinado ao bispo de Cartago que exercia, tradicionalmente, uma espécie de primazia sobre todos os colegas africanos. Desde 392, a sede de Cartago estava ocupado por Aurélio, que morre no ano 429 ou 430. Com prazer, fazia seu colega de Hipona pregar em uma ou outra basílica de sua diocese, quando este lhe visitava.

Aurélio não era um erudito, não publicou nada. É um homem de ação e um administrador consumado. Nos concílios, que se celebravam regularmente durante seu episcopado, sugeria a seus colegas decisões sábias e prudentes para o governo  de suas igrejas e sobre a conduta que deviam observar frente aos dissidentes e hereges.

Amigo fiel e devoto de Agostinho, Aurélio lhe deixava as iniciativas intelectuais, a redação dos livros, das cartas, de discursos e discussões que haveriam. Ele reservava para si as iniciativas da administração; isto é, na maioria dos casos ele realizava as idéias que lhe sugeria o bispo de Hipona.

Os outros bispos africanos se contentavam também em ser executadores das idéias de Agostinho. Muitos deles são conhecidos nos anais da história agostiniana. Eram precisamente os amigos ou discípulos mais fieis de Agostinho. Depois que Alípio foi nomeado bispo de Tagaste, muitas igrejas africanas vieram a Hipona pedir pastores, seguras da qualidade dos monges formados por Santo Agostinho. Entre estes estão: Profuturo, bispo de Cirta; Evódio, bispo de Uzalis; Possídio, bispo de Calama; Severo, bispo de Milevi; Urbano, bispo de Sicca; Bonifácio, bispo de Cataque. Todos eles estiveram, um tempo mais ou menos longo, no mosteiro agostiniano. A simples passagem pela escola do Mestre Agostinho era suficiente para deixar uma marca indelével. Entre eles, sobressai Possídio, que é o tipo perfeito de administrador entusiasta, de ouvinte atento, de amigo fiel e sincero, juntamente com Alípio.

Entretanto, até mesmo sobre os que não passaram por sua escola ou não o conheceram, Agostinho exercia uma grande influência. Em sua presença todos se calavam, por causa de seu duplo prestígio: de santidade e de ciência. Deste modo, mesmo nas igrejas que nada tinham a ver com Hipona, nosso bispo podia, não só pregar, mas, inclusive, sustentar controvérsias públicas com hereges. A impressão que se tem é de que, em toda parte, ele mesmo se sentia como em sua própria diocese: podia dizer e fazer tudo que gostava. Para Agostinho, seus colegas eram verdadeiros colaboradores.

Sua ação ultrapassa também as fronteiras africanas. Estende-se à Igreja inteira. num instante, o círculo de suas relações é dos mais extensos. Como primeiro meio de expressão, conta com os livros que escreve, cujos exemplares se disputam avidamente, logo que se tem notícias de sua publicação. Inclusive, se propagam nos meios públicos, sem que o autor se dê conta. É o que ocorre com os doze primeiros livros da obra sobre a Santíssima Trindade, que lhe tiraram e puseram em circulação, antes que pudesse revisá-los.

ORDENAÇÃO  EPISCOPAL  DE  AGOSTINHO

“Mas, o bem-aventurado ancião Valério, mais que ninguém transbordava de alegria, dando graças a Deus pelo benefício singular que havia feito à sua Igreja, começou a temer -e isto é coisa muito humana- que lhe enviassem para alguma outra Igreja, privada de sacerdote, consagrando-lhe bispo. E assim haveria de acontecer, sem dúvida, se não houvesse evitado o vigilante pastor, ocultando-lhe num lugar onde não pudessem encontrá-lo. Por isto, mais receoso a cada dia que passava, o venerável bispo, conhecendo sua fraqueza e idade avançada, com uma carta secreta recorreu ao bispo de Cartago, alegando sua idade avançada e gravidade de seus males, e rogando que ele nomeasse Agostinho bispo auxiliar de Hipona, não tanto para que lhe sucedesse na cátedra, mas para que colaborasse com ele no exercício pastoral.

Por escrito, conseguiu o que desejava e pedia com tanta insistência. Mais tarde, convidado para uma visita e estando presente na basílica de Hipona, o primado da Numídia, Megálio, bispo de Calama, o bispo Valério surpreendeu-o com a manifestação de seu propósito  a todos os bispos que, por casualidade, estavam presentes e a todos os clérigos e fieis de Hipona, sendo acolhida a proposta por todos os ouvintes com alegria, congratulações e clamores de aprovação e desejo.

Somente Agostinho recusava a consagração episcopal alegando que isto ia contra o costume que não permitia outro bispo na diocese, enquanto vivesse seu bispo. Todos lhe convenceram do contrário, dando-lhe exemplos de Igrejas africanas e fatos semelhantes em Igrejas ultramarinas, coisa que ele ignorava. Finalmente, cedendo à pressão de suas razoes e pedidos, aceitou receber em seus ombros o encargo de um grau superior. Porém, depois, disse e escreveu que não deveriam tê-lo consagrado, fazendo isso com ele, estando o bispo vivo...” (São Possídio -, Vida de santo Agostinho, c. 8)