SABEDORIA

Elemento essencial da maturidade pessoal.

O livro dos Provérbios (8,30-31) fala da sabedoria criadora: "Como o mestre de obras eu estava com Ele, eu era o seu encanto todos os dias, todo o tempo brincava em sua presença, brincava na superfície da terra e me alegrava com os homens." A sabedoria e o riso andam  juntos. A aceitação da condição de criatura leva o homem a confessar seu pouco saber.

Dito popular: Deus sabe o que faz. Cada um sabe de si e Deus de todos. Segundo Carlos Mesters, a primeira condição para entender a Bíblia não é estudar a história, mas viver. "O saber de cada um se funda nas raízes da experiência vivida. E esta experiência é, em grande medida, intransferível”.

A sabedoria é dos antigos e das assembléias. Não é sistemática, como a ciência, mas busca a coerência. Não é privilégio de quem sabe ler e escrever. Mais que o intelecto, é a sabedoria que entende os mistérios. A palavra sábia é refletida e sempre repetida. Sabedoria encontramos em provérbios, ditos, máximas, conselhos, adivinhações.

Ditos populares: Deus cochila, mas não dorme. De grão em grão, a galinha enche o papo. Pé de pobre não tem tamanho. Roupa suja se lava em casa. A necessidade faz o sapo pular. Águas passadas não tocam moinho. O que é, o que é que o rico faz toda hora, o pobre quando pode, e o cachorro faz toda hora? Resposta: Festa.

A sabedoria popular tem tudo a ver com a contemplação e o bom senso. É a filosofia aprendida no cotidiano. Segundo Irineu M. Macedo, a sabedoria nasce da fé diária. (Agudos SP, 2005) Com poucas palavras, os idosos nos transmitem sua experiência de vida. Falam de saúde, religião, amor, dinheiro, educação, natureza. Os pretos velhos dão conselhos e orientação através de provérbios.

Sabedoria medieval encontramos encontramos no pequeno livro "Imitação de Cristo"(ano 1441). Depois da Bíblia, é o livro mais traduzido do mundo.

A sabedoria de Maria é evocada por seus títulos Nossa Senhora do  Bom Conselho, Nossa Senhora da Pena.

Em "Viventes das Alagoas" (1960), Graciliano Ramos fala do cantador Inácio da Catingueira: "Foi uma das figuras mais interessantes da literatura brasileira, apesar de não saber ler. Como seus olhos brindados de negro viam as coisas! É certo que temos outros sabidos demais. Mas há uma sabedoria alambicada que nos torna ridículos”.

Segundo o ABC dos ricos, muito dinheiro faz o homem pronunciar sem ter sabedoria.

A sabedoria vem aliada à humildade: "Só sabemos de nós mesmos com muita confusão”. (Guimarães Rosa). Os versos do sábio poeta cearense Miguel Alves de Lima o dizem assim: Que alguma coisa sei pensa alguém mal entendido Eu só sei que nada sei Só isto tenho aprendido Até mesmo o que eu sei às vezes estou esquecido. Quem fui, quem sou, quem serei Nada não posso dizer Quem eu fui já não sou mais Quem sou deixo de ser Quem serei não conheço Fico sem nada saber. (Várzea Alegre.Ceará. 01/09/1991)

Já o mineiro Nelson Jacó (1996) da folia de reis de Jequitibá (MG) diz: A gente não sabe nada. Mas o pouco que sabe, Deus abençoando, vale muito.

[1] BEZERRA, Aída et alii. A Questão Política da Educação Popular. São Paulo, Ed.Brasiliense, 1980. p.114. [2] Apud: BATISTA, Sebastião Nunes. "O Preconceito da Cor na Literatura de Cordel". In: Encontro Cultural de Laranjeiras, 20 anos. Aracaju, Fundação Estadual de Cultura, 1994. pp.117-118.

Frei Francisco van der Poel ofm