PROVÉRBIOS DE SALOMÃO

Filho de Davi, rei de Israel

01. Ao homem pertencem os planos do coração; mas a resposta da língua é do Senhor.

02. Todos os caminhos do homem são limpos aos seus olhos; mas o Senhor pesa os espíritos.

03. Entrega ao Senhor as tuas obras, e teus desígnios serão estabelecidos.

04. O Senhor fez tudo para um fim; sim, até o ímpio para o dia do mal.

05. Todo homem arrogante é abominação ao Senhor; certamente não ficará impune.

06. Pela misericórdia e pela verdade expia-se a iniqüidade; e pelo temor do Senhor os homens se desviam do mal.

07. Quando os caminhos do homem agradam ao Senhor, faz que até os seus inimigos tenham paz com ele.

08. Melhor é o pouco com justiça, do que grandes rendas com injustiça.

09. O coração do homem propõe o seu caminho; mas o Senhor lhe dirige os passos.

10. Nos lábios do rei acham-se oráculos; em juízo a sua boca não prevarica.

11. O peso e a balança justos são do Senhor; obra sua são todos os pesos da bolsa.

12. Abominação é para os reis o praticarem a impiedade; porque com justiça se estabelece o trono.

13. Lábios justos são o prazer dos reis; e eles amam aquele que fala coisas retas.

14. O furor do rei é mensageiro da morte; mas o homem sábio o aplacará.

15. Na luz do semblante do rei está a vida; e o seu favor é como a nuvem de chuva serôdia.

16. Quanto melhor é adquirir a sabedoria do que o ouro! e quanto mais excelente é escolher o entendimento do que a prata!

17. A estrada dos retos desvia-se do mal; o que guarda o seu caminho preserva a sua vida.

18. A soberba precede a destruição, e a altivez do espírito precede a queda.

19. Melhor é ser humilde de espírito com os mansos, do que repartir o despojo com os soberbos.

20. O que atenta prudentemente para a palavra prosperará; e feliz é aquele que confia no Senhor.

21. O sábio de coração será chamado prudente; e a doçura dos lábios aumenta o saber.

22. O entendimento, para aquele que o possui, é uma fonte de vida, porém a estultícia é o castigo dos insensatos.

23. O coração do sábio instrui a sua boca, e aumenta o saber nos seus lábios.

24. Palavras suaves são como favos de mel, doçura para a alma e saúde para o corpo.

25. Há um caminho que ao homem parece direito, mas o fim dele conduz à morte.

26. O apetite do trabalhador trabalha por ele, porque a sua fome o incita a isso.

27. O homem vil suscita o mal; e nos seus lábios há como que um fogo ardente.

28. O homem perverso espalha contendas; e o difamador separa amigos íntimos.

29. O homem violento alicia o seu vizinho, e guia-o por um caminho que não é bom.

30. Quando fecha os olhos fá-lo para maquinar perversidades; quando morde os lábios, efetua o mal.

31. Coroa de honra são as cãs, a qual se obtém no caminho da justiça.

32. Melhor é o longânimo do que o valente; e o que domina o seu espírito do que o que toma uma cidade.

33. A sorte se lança no regaço; mas do Senhor procede toda a disposição dela.

 

As palavras do rei Lemuel, rei de Massá, que lhe ensinou sua mãe.

02. Que te direi, filho meu? e que te direi, ó filho do meu ventre? e que te direi, ó filho dos meus votos?

03. Não dês às mulheres a tua força, nem os teus caminhos às que destroem os reis.

04. Não é dos reis, ó Lemuel, não é dos reis beber vinho, nem dos príncipes desejar bebida forte;

05. para que não bebam, e se esqueçam da lei, e pervertam o direito de quem anda aflito.

06. Dai bebida forte ao que está para perecer, e o vinho ao que está em amargura de espírito.

07. Bebam e se esqueçam da sua pobreza, e da sua miséria não se lembrem mais.

08. Abre a tua boca a favor do mudo, a favor do direito de todos os desamparados.

09. Abre a tua boca; julga retamente, e faze justiça aos pobres e aos necessitados.

10. Álefe. Mulher virtuosa, quem a pode achar? Pois o seu valor muito excede ao de jóias preciosas.

11. Bete. O coração do seu marido confia nela, e não lhe haverá falta de lucro.

12. Guímel. Ela lhe faz bem, e não mal, todos os dias da sua vida.

13. Dálete. Ela busca lã e linho, e trabalha de boa vontade com as mãos.

14. Hê. É como os navios do negociante; de longe traz o seu pão.

15. Vave. E quando ainda está escuro, ela se levanta, e dá mantimento à sua casa, e a tarefa às suas servas.

16. Zaine. Considera um campo, e compra-o; planta uma vinha com o fruto de suas mãos.

17. Hete. Cinge os seus lombos de força, e fortalece os seus braços.

18. Tete. Prova e vê que é boa a sua mercadoria; e a sua lâmpada não se apaga de noite.

19. Iode. Estende as mãos ao fuso, e as suas mãos pegam na roca.

20. Cafe. Abre a mão para o pobre; sim, ao necessitado estende as suas mãos.

21. Lâmede. Não tem medo da neve pela sua família; pois todos os da sua casa estão vestidos de escarlate.

22. Meme. Faz para si cobertas; de linho fino e de púrpura é o seu vestido.

23. Nune. Conhece-se o seu marido nas portas, quando se assenta entre os anciãos da terra.

24. Sâmerue. Faz vestidos de linho, e vende-os, e entrega cintas aos mercadores.

25. Aine. A força e a dignidade são os seus vestidos; e ri-se do tempo vindouro.

26. Pê. Abre a sua boca com sabedoria, e o ensino da benevolência está na sua língua.

27. Tsadê. Olha pelo governo de sua casa, e não come o pão da preguiça.

28. Côfe. Levantam-se seus filhos, e lhe chamam bem-aventurada, como também seu marido, que a louva, dizendo:

29. Reche. Muitas mulheres têm procedido virtuosamente, mas tu a todas sobrepujas.

30. Chine. Enganosa é a graça, e vã é a formosura; mas a mulher que teme ao Senhor, essa será louvada.

31. Tau. Dai-lhe do fruto das suas mãos, e louvem-na nas portas as suas obras.