Cravo-da-índia
eugenia cariofhyllata

Partes usadas: botões das flores secos.

Família: mirtráceas.

Características: árvore que atinge até 20 metros de altura, originária das Filipinas. Os cravinhos são os botões das flores que se colhem quando ficam vermelhas. Depois de secas ao sol, ficam com a cor parda.

Dicas de cultivo: propaga-se em vários tipos de solos, preferindo áreas sombreadas. O plantio é feito com sementes (previamente preparadas), em sementeiras, sendo transferidas para o canteiro definitivo entre 10 meses e um ano e meio após a semeadura. O espaçamento entre as mudas devem ser de 9 x 9 m.

Princípios ativos: suas flores contém 15-20% de essência constituída na maior parte de eugenol, pequenas quantidades de acetileugenol, cariofileno e metilamilcetona.

Propriedades: anti-séptico, analgésico bucal, estimulante e aperitivo, carminativo.

Indicações: sua essência entra na composição de dentifrícios. É recomendado nos casos de estomatite, é estimulante geral do organismo, combate gases intestinais e aumenta o apetite.

Toxicologia: quem sofre de úlcera gastro-duodenal e gastrite deve-se abster do cravo como planta medicinal e condimento. Em doses elevadas, tem efeitos irritantes sobre o aparelho digestivo, que se manifestam por náuseas, vômitos e dores estomacais.