AS  CRUZADAS  E  A  TERRA  SANTA

No apogeu do Papado, durante a Idade Média, aconteceram as Cruzadas. Esse movimento religioso-militar, surgido na Europa ocidental, tinha por objetivo reconquistar, a Terra Santa (Jerusalém, Belém, Nazaré, etc.) das mãos dos infiéis muçulmanos. Ou seja, reconquistar os locais onde Jesus Cristo viveu, onde a Igreja nasceu e que eram visitados por peregrinos cristãos.

Quem eram os muçulmanos e por que eles conquistaram a Terra Santa?

Os muçulmanos são os seguidores de Maomé (570 - 632), fundador da religião muçulmana ou lslamismo ou Maometismo. Essa religião nasceu a partir da experiência de Maomé, profeta de Alá (Deus) e iniciou a sua expansão, no ano de 622, com a Égira, data da fuga de Maomé, de Meca para Medina. A religião muçulmana tem seu núcleo de fé baseado nas seguintes doutrinas: fé num só Deus, Alá; fé no profeta de Alá, Maomé; e fé no juízo de Alá que premia os bons e castiga os maus.

O Islamismo se expandiu de uma forma extraordinária através de várias conquistas: Damasco, em 635; Jerusalém, em 638; Alexandria, em 643; assédios de Constantinopla, em 673 e 717; Cartago, em 698 e, em 711, chegam à Espanha e ali se fixam após as derrotas para os franceses, em 732. Daí se percebe que as antigas regiões cristãs do norte da África e do Oriente Médio passaram a ser dominadas por eles. Inicialmente, os muçulmanos toleraram os cristãos mediante o pagamento de impostos. Depois, criaram certas dificuldades em algumas regiões, mas não proibiram as peregrinações à Terra Santa.

A partir do século XI, começaram a surgir dificuldades para que os peregrinos cristãos pudessem visitar a Terra Santa. Além dos problemas dos ladrões que roubavam os peregrinos - que se viram forçados a viajar em grupos maiores e com a ajuda de pequenos exércitos -, temos de mencionar o ponto chave da questão: no ano 1009, o califa Haken destruiu a igreja do Santo Sepulcro e passou a perseguir os cristãos e peregrinos. Essa atitude foi um golpe terrível na Cristandade ocidental. Além disso, devemos registrar os pedidos de ajuda militar que os imperadores cristãos, de Constantinopla, freqüentemente faziam às lideranças ocidentais para que os ajudassem na luta contra as incursões militares muçulmanas. Empreenderá toda a luta movida pelos cristãos contra os vários tipos de infiéis.

O papa Gregório VII (1073 - 1085) já tinha tentado, durante o seu pontificado, convocar uma cruzada para ajudar, particularmente, aos gregos de Constantinopla. Envolvido, porém, nas lutas contra Henrique IV da Alemanha, não pôde concretizar aquele objetivo. Assim, será o Papa Urbano II quem convocará a primeira das oito cruzadas mais importantes.

1ª CRUZADA — Convocada pelo papa Urbano II, no Sínodo de CIermont - 1095.

Pedro, o Ermitão, foi encarregado de pregar a realização da cruzada, que contou com a participação de um exército com mais de 600 mil homens, da Alemanha, França, Inglaterra e ltália, além de uns 18 mil aventureiros, colonos e mendigos. Esse número se deveu a muitos fatores: o desemprego e a pobreza na Europa ocidental; a questão dos guerreiros medievais que com a "trégua de Deus" (acordo temporário de paz), já não podiam lutar em várias épocas do ano; e, principalmente, a promessa de que todo cruzado que permanecesse fiel à cruzada, teria o perdão dos pecados e a garantia da salvação eterna. Os cruzados conquistaram Nicéia, Antioquia e Jerusalém, em julho de 1099. Infelizmente, foram muito violentos com os sarracenos-muçulmanos, inclusive judeus, matando adultos, crianças, violentando mulheres, etc. Após a tomada da cidade, foi estabelecido o Reino de Jerusalém, tendo à frente o francês Godofredo de Bulhões. Ele não quis ser chamado de rei, pois o único rei de Jerusalém foi Jesus Cristo e sim, ‘protetor do Santo Sepulcro’. Com o tempo, os cruzados foram retornando para a Europa. Jerusalém voltou a ser ameaçada pelos muçulmanos, dificultando a vida dos governos do ‘Reino de Jerusalém’.

2ª CRUZADA — Convocada pelo papa Eugênio III, 1144.

Causada pela queda da cidade de Edessa, Mesopotâmia (hoje Iraque), caiu nas mãos do sultão muçulmano de Alepo. Teve dois grandes pregadores: São Bernardo de Claraval e frei Rodolfo. Foi formado, então, um exército com mais de 200 mil homens que chegou até Jerusalém, reforçando a presença cristã na Terra Santa. Fizeram algumas conquistas, mas sem muitas condições de resistir às pressões dos muçulmanos. Assim, em 1187, o sultão do Egito, Saladino, reconquistou Jerusalém, provocando grande apreensão na Europa, que motivou a 3ª Cruzada.

3ª CRUZADA — Promovida pelos papas Gregório VIII e Clemente III, 1189.

Foi dirigida pelos soberanos Frederico Barbarroxa, Ricardo Coração de Leão e Felipe II Augusto. Só conseguiram conquistar a cidade de São João do Acre, em 1191. Ricardo Coração de Leão, antes de retornar à lnglaterra, fechou um acordo com o sultão do Egito, Saladino, que se comprometeu a não maltratar os peregrinos cristãos.

4ª CRUZADA — Convocada pelo papa Inocêncio III, 1202.

A condição era de que os legados papais a comandassem. Infelizmente, desviou-se de seus objetivos e os cruzados se dirigiram para Constantinopla, contra a vontade do Papa. Lá fundaram o ‘lmpério Latino de Constantinopla’, em 1204, aumentando, ainda mais, a cisão entre as lgrejas latina e grega. Em 1261, os gregos reconquistaram Constantinopla.

CRUZADA DAS CRIANÇAS

• No ano de 1212, aconteceu essa infeliz iniciativa, que teve como ponto de partida a cidade de Marselha. Milhares de crianças acabaram sendo vendidas como escravas, no norte da África.

5ª CRUZADA — Promovida pelos papas Inocêncio III e Honório II, 1218.

Os cruzados conseguiram conquistar a fortaleza de Damieta, no Egito, em 1219, perdida anos depois.

6ª CRUZADA — Foi dirigida pelo Imperador Frederico II da Alemanha, 1229.

Esse imperador tinha sido excomungado pelo Papa Gregório IX. A cruzada deu ótimos resultados. Por um tratado com o sultão muçulmano do Egito, em 1229, as cidades de Jerusalém, Belém, Nazaré, Tiro e Sidon passaram para o rei alemão. A condição foi que a mesquita de Omar, em Jerusalém, ficasse nas mãos dos muçulmanos.

7ª CRUZADA Convocada pelo papa Inocêncio IV - 1245 - após o concílio de Lyon.

No ano anterior, Jerusalém voltou a cair nas mãos dos infiéis muçulmanos. São Luís da França foi seu grande líder e conquistou Damieta, no Egito, junto ao Mar Mediterrâneo em 1249. Mas perdeu a batalha seguinte e teve de pagar um alto resgate.

8ª CRUZADA — Novamente dirigida por São Luís de França, 1249.

Com a morte de são Luís, vitimado pela peste, em Túnis, na Africa do Norte. Em 1270, a cruzada terminou.

Para se entender as cruzadas, é preciso voltar para o século VII. No ano 637, apenas alguns anos após a morte de Mohammed, o profeta do islamismo, o califa Omar tomou a Palestina, há três séculos, cristã. Tomou de assalto os lugares santos e expulsou os cristãos. Não proibiu as peregrinações, porém impôs pesados tributos. No século X (cem anos antes das cruzadas), a dinastia dos Fatimistas, que dominavam a Palestina, empreendeu uma perseguição cruel ao cristianismo, provocando a morte dos que se aproximavam dos lugares santos e empreendendo uma violenta onda de conquistas das cidades cristãs, rumando para a Europa.

 Essa perseguição teve seu auge no ano de 1076, com a chegada dos turcos a Jerusalém e a destruição da Igreja do Santo Sepulcro, quando (e veja só, após mais de cem anos de perseguição) o papa Gregório VII ressaltou a necessidade de convocar os cristãos a uma campanha de resgate dos lugares santos. Em 1095, Urbano II convocou a primeira cruzada. Ganharam a primeira e sofreram a massacrante derrota de outras sete. Lembre-se que, na sexta cruzada, Felipe II, ainda que excomungado, recupera Jerusalém e assegura ao sultão que as mesquitas da Cidade Santa ficariam em poder dos muçulmanos. A paz durou dez anos.

O sultão do Egito, auxiliado pelos povos do Turquistão invadiram a Cidade Santa e promoveram a degolação de todos os habitantes, o que desencadeou a sétima cruzada, empreendida por são Luís, que, ainda que tenha tomado Damieta, acabou preso. Fora libertado e deportado para a França após o pagamento de uma soma em dinheiro exigida pelo Sultão.

 A oitava cruzada ocorreu pelas mãos de são Luis também. São Luis recebera a falsa notícia por parte de seu irmão, de que o sultão do Egito desejava conhecer o cristianismo. Empreendeu uma expedição que visava uma reunião diplomática com o sultão, para fazê-lo um aliado. Esse porém havia dissimulado o interesse e preparava uma emboscada. A guerra se segue. São Luis morre de peste após desembarcar em Cartago.

Alguns pontos positivos podem ser relacionados com as cruzadas, como o declínio e desaparecimento do poder feudal e o atraso em quatro séculos da invasão dos turcos à Europa, o que acabou por acontecer, infelizmente. Os muçulmanos tomaram violentamente a Espanha, a Sicília, a Grécia, a região onde se encontra hoje a Turquia, os Balcãs, uma parte de Portugal e só parou de avançar quando bateu à porta de Viena. Os muçulmanos só desistiram da conquista da Europa em meados do século XIX.

dom Estevão Tavares Bettencourt, osb