IGREJA DETERMINA CRITÉRIOS PARA APOIAR CANDIDATOS NAS ELEIÇÕES MUNICIPAIS

A diocese de são José dos Campos estabeleceu critérios para apoiar candidatos a vereador nas eleições municipais deste ano. A experiência foi implantada principalmente na Região pastoral 5 da diocese, da qual nossa paróquia faz parte, que está apoiando dois candidatos que são agentes de pastorais atuantes na RP5 e preenchem esses critérios pré-estabelecidos.

 

Em nossa paróquia os padres não farão discursos nem apresentação dos candidatos da comunidade no púlpito, mas os grupos que quiserem abrir espaço para esses candidatos em suas reuniões poderão leva-los para que exponham suas propostas.

 

Neste documento formulado pela diocese, foram apontados seis aspectos, sendo quatro referentes ao próprio candidato – a pessoa, sua atuação pastoral, seu perfil sócio-político e os compromissos que deverá assumir por escrito – e os outros dois aspectos falam dos critérios para serem apoiados e em que consiste este apoio.

 

É importante ressaltar que a diocese não está apoiando oficialmente nenhum candidato a prefeito.

 

Escola

Desde 1992 a diocese de são José realiza encontros de fé e política, acumulando vários materiais de conscientização do voto e da participação na vida política. Fruto desses encontros é a Escola de política e cidadania, que forma alunos à luz da Doutrina Social da Igreja.

 

Critérios para apoiar candidatos (as) – Eleições municipais 2004

(Diocese de são José dos Campos/SP)

 

1 - A pessoa do candidato (a):

- Ser católico romano praticante, isto é, alguém que vive consciente e livremente a sua fé. Não só é visto na Igreja, mas participa de sua comunidade, exercendo um serviço no meio do Povo de Deus.

- Honestidade: que o candidato seja honesto, procure o bem comum dos cidadãos, esteja realmente empenhado com a verdade e a justiça.

- Competência, capacidade administrativa e liderança. A política exige competência do candidato na atuação pública.

 

2 - Atuação pastoral do (a) candidato (a):

- Estar atuando sistematicamente há pelo menos três anos da vida eclesial. Isto permite que ele seja conhecido por todos os membros atuantes na vida eclesial.

- Ter um claro conhecimento das prioridades diocesanas de pastoral.

- Participar ativamente das pastorais e/ou dos movimentos na Região Pastoral.

 

3 - Perfil sócio-político do (a) candidato (a):

- Ter formação e participação sócio-política comprovada. Ver se o (a) candidato (a) está dentro de um (ou mais) dos seguintes exemplos: Escola de política e cidadania da diocese; exercício de mandato público; assessoria política nas esferas legislativa, executiva ou jurídica; Participação em conselhos municipais ou sociedades amigos de bairros (SABs); diretoria de sindicato; associações e movimentos sociais organizados; grupos de acompanhamento de Câmara; participação na comissão sócio-política da paróquia; engajamento em pastorais sociais e comissão do serviço.

- Ter um projeto de candidatura viável: apoio familiar, partidário e comunitário. O candidato deve ser indicado por alguma comunidade, associação de bairro ou movimento social organizado.

- Se já concorreu anteriormente sem se eleger, que seja esta a segunda vez. Sua votação anterior dever ter sido expressiva, considerando o percentual do município.

 

4 - Compromissos que o (a) candidato (a) deverá assumir por escrito:

- Defender os direitos inalienáveis do ser humano;

- Combater a exclusão social;

- Combater a corrupção

- Não empregar parentes na assessoria;

- Apoiar investimentos na área social;

- Apoiar o ensino religioso nas escolas municipais;

- Cumprir integralmente seu mandato;

- Não trocar de partido, a não ser por extinção do mesmo;

- Manter um Conselho de mandato;

- Prestação de contas semestralmente.

 

5-Para ser apoiado (a):

- Ser apresentado (a) pela comissão paroquial do serviço;

- Ter seu nome apresentado à comissão do serviço da região pastoral para apreciação;

- Receber aprovação final do clero da região pastoral.

 

6-Em que consiste este apoio:

- O apoio será em nível paroquial e/ou de região pastoral;

- Apresentar estas pessoas ao conselho de pastoral paroquial (CPP) da paróquia e/ou das paróquias da região pastoral;

- Convidar estas pessoas para se apresentarem nos encontros em nível paroquial e/ou da região pastoral.