DIFERENÇAS  ENTRE  O  CRISTIANISMO E  O  HINDUÍSMO

Hinduísmo

Vedas (palavra do sânscrito que significa "conhecimento") são as escrituras sagradas do hinduísmo. Inicialmente o conhecimento era transmitido pela via oral, com o advento da era de Kali, se fez necessário codificar os Vedas em forma escrita; constituem, portanto, os mais antigos escritos sagrados do hinduísmo.

Os quatro Vedas são Rg, Yajur, Sama e Atharva, também se considera como literatura védica toda aquela que esteja de acordo com o sidhanta védico, o qual poderia ser resumido na descrição sobre conhecimento encontrada no Bhagavad Gita, (13.8-12): "aceitar a importância da auto-realização e buscar a Verdade Absoluta." O objetivo dos Vedas, portanto, é proporcionar respostas plausíveis para o candidato em busca filosófica da Verdade Absoluta.

Os bramanistas acreditam na existência de um deus chamado Brahma e em duas outras divindades Shiva e Vishnu que formam uma trindade divina, a partir dessa trindade, o universo originou-se pela expansão da divindade principal - o Brahma.

Brahma constrói, Vishnu mantém e Shiva destrói. Shiva é o terceiro deus do trimurti.

De acordo com a doutrina hinduísta ( bramanista ) existem quatro castas originais, a saber: brâmanes (saídos dos lábios de Brahma), são os sacerdotes considerados puros e privilegiados; os xátrias (saídos dos braços de Brahma), são os guerreiros; os vaicias (das pernas de Brahma), são os lavradores, comerciantes e artesãos; e sudras (saídos dos pés de Brahma), são os servos . Os párias são pessoas que não pertencem a nenhuma casta, por terem desobedecido leis religiosas. As características principais do hinduísmo são o politeísmo, a meditação e a reencarnação. Existem mais de 660 milhões de adeptos em todo o mundo, com um panteão de 33 milhões de deuses.

O hinduísmo ensina que o homem está unido com a natureza e com o universo. O universo é deus, e, estando unido ao universo, todos são deuses. Tudo é deus, e deus é tudo. E este deus é impessoal.

Muitos deuses adorados pelos hindus são bons e maus simultaneamente.

O mundo físico é uma emanação do Brahma, uma ilusão, designado como véu de maya, o homem e sua personalidade não passam de um sonho.

O homem deve livrar-se da ilusão da existência pessoal e física.

Através da ioga e meditação transcendental, a pessoa pode transcender este mundo de ilusões e atingir a iluminação, a liberação final do sofrimento.

Afirmam a lei do carma: o bem e o mal que a pessoa faz, determinará como ela virá na próxima reencarnação.

O desejo supremo de um hinduísta é chegar ao estágio de se transformar no inexistente. Ser parte deste deus impessoal.

Cristianismo

Existe um só Deus, eternamente subsistente em três pessoas distintas, o Pai, o Filho e o Espírito Santo, Dt. 6,24; Mt. 28,19; Mc. 12,29.

Em uma mesma substância, existem Três Pessoas Divinas ou Processões imanentes à natureza divina, o modo como Deus se conhece e Se ama, e nunca três divindades.

O Espírito Santo é a terceira pessoa da Trindade, como Paráclito, "Consolador", que orienta, defende e convence o homem do pecado e da necessidade da justiça At. 2, 4; 1,8; Mt. 3, 11; 1 Co 12, 1 - 12.

O cristianismo crê em Jesus, em sua morte vicária e expiatória, em sua ressurreição corporal dentre os mortos, e em sua ascensão gloriosa aos céus Is 7.14; Lc 1, 26 - 31; 24, 4 - 7; At 1,9. Todos podem obter a vida eterna pela graça justificadora do batismo e vivendo uma vida cristã apartada do pecado.

O cristianismo afirma a criação do ser humano, igual em méritos; dotado de livre-arbítrio , que responde ao mundo em que vive e ao seu criador ,possuidor da capacidade de conhecer e amar a Deus ; e que, pelo uso da razão natural , pode conhecer a ordem criada . Criatura que o pecado destituiu da posição superior que possuía diante de Deus.

O pecado apartou o homem da glória de Deus; primeiro o pecado original de Adão e depois os pecados pessoais dos homens, somente através do arrependimento das suas faltas e da fé na obra de Jesus, pode o homem se reconciliar com Deus.

Acreditamos no perdão dos pecados, na salvação e na justificação eterna da alma, recebida de Deus, através de Jesus Cristo de forma gratuita . At 10.43; Rm 10.13; Hb 7.25; 5.9; Jo 3.16. Rm 3.23; At 3.19; Rm 10.9. Gn 1.27; 2.20,24; 3.6; Is 59.2; Rm 5.12; Ef 2.1 - 3.

A Bíblia é uma obra de inspiração divina, regra de fé para a vida espiritual ao lado da tradição II Tm 3.14-17; II Pe 1.21.

Haverá um juízo que condenará os pecadores no Fim dos Tempos. Cremos no novo céu, na vida eterna para os justos e santos e na condenação eterna para os pecadores e incrédulos Mt 25.46; II Pe 3.13; Ap 21.22; 19.20; Dn 12.2; Mc 9.43 - 48.

Diferenças entre o hinduísmo e o cristianismo

O Credo de Nicéia-Constantinopla (325 - 381) sintetiza a fé católica:

Só existe um Deus, substância simples, imutável, transcendência absoluta. Criador do Céu e da Terra e distinto da ordem criada, Senhor e Juíz da Humanidade, em Cristo; que fez o mundo dotado de leis próprias.

Que atua no mundo de forma extraordinária; que é, sempre, onipotente, onipresente e onisciente, que transmitiu Suas leis e ordenanças aos profetas e patriarcas, revelando seus desígnios.

Que criou o mundo e o homem por um ato de amor , livre e soberanamente.

Cremos num Deus que emitiu suas leis morais.

Cremos em Jesus Cristo, Deus encarnado, redentor do homem e do mundo.

Verdadeiramente homem e verdadeiramente Deus, possuidor de duas natureza e de duas vontades, unidas mas distintas.

Cremos na Trindade Divina , não em três deuses , mas em um único Deus e no Seu modo de conhecer e de amar a si e ao mundo - o Deus Filho e o Espírito Santo.

Único Filho de Deus e Senhor Nosso , que remiu toda a humanidade de uma única vez.

Cremos no poder divino de perdoar os pecados. O modo de pagar a culpa no cristianismo é diferente do hinduísmo, pagamos as faltas que cometemos nesta vida, após o arrependimento e a confissão sacramental.

Cremos na vida eterna, na comunhão espiritual dos anjos e santos.

Não há reencarnação, nem mutações na divindade , para os cristãos.

A alma e o corpo não são ilusões, nem tampouco o mundo.

O homem deve viver de forma sóbria, mas nunca renunciar fanaticamente à vida.

Não podemos amar e conhecer a Deus plenamente, sem a fé e sem a graça.

Só seremos salvos pela graça justificadora de Deus, e não pelo esforço puramente humano através de encarnações sucessivas como quer o hinduísmo.

Prof Everton Jobim