DROGAS NÃO ME AFETAM, GRAÇAS A DEUS!

SERÁ VERDADE?

   Talvez não haja droga em sua casa, nem alcoolismo em seu trabalho. Mas estou certo de que com muito pouco esforço, eu mesmo posso levar você a casas e a pessoas da nossa Comunidade que já estão passando pelo problema.

 

   Posso apresentar-lhes um médico de sucesso, muito admirado, que tem um filho dependente de cocaína, estudante universitário que já agrediu fisicamente sua mãe por duas vezes. Um empresário de bastante expressão, casado com uma senhora ativa em um movimento feminino da Comunidade, que perdeu seu filho numa overdose, mas que teve seu atestado de óbito mostrando morte por problemas cardíacos.

 

   Conheço pessoalmente um casal espetacular - mãe que é professora Universitária de carreira, pai advogado que têm um filho lutando desesperadamente para sair do inferno das drogas. Mas a maioria dos amigos e até vizinhos não sabem - o que talvez esteja ocorrendo com algum de seus amigos.

 

   Também posso falar de um pai, grande figura na área financeira, que se entope de anfetaminas e benzodiazepinicos a ponto de destruir sua casa - sua esposa o deixou e suas filhas estão a ponto de fazer o mesmo. Uma me disse não ter coragem de namorar com medo que conheçam seu pai! Uma adolescente, linda. Será justo isto? Ou talvez o caso seja o de um chefe de família, com filhas maravilhosas, lindas, estudiosas - que são mantidas pelo avo porque o pai delas, viciado em jogo, perde tudo no jóquei, nos bingos e nas máquinas. Logo a família estará na rua pois a antiga fortuna do avo já foi dilapidada em troca de salvar o filho (os agiotas ameaçavam mata-lo caso não pagasse as dividas assumidas no jogo - com juros de 18% por semana!). Quando estiver na sarjeta, será mais um caso social - para você e eu!

 

   Gente - eu não escrevi sobre hipóteses - estou falando de aqui, agora, em S. Paulo, de gente que como vocês conhecem pessoalmente e nem imaginam que algo tão grave ocorre em suas casas.

 

   O risco não é no futuro. Ele já esta aqui, agora, hoje. Não pensem que será amanhã ou o ano que vem. Enquanto você lê este artigo, tem gente apostando em bingos e no Jóquei um dinheiro que eles não tem - vão recorrer a agiotas, vão roubar das empresas em que trabalham. Agora, neste momento, alguns de nossos promissores jovens estão entregando seu futuro em troca de um baseado ou de uma carreirinha. Se você não sabe o que é isto, é hora de querer saber! Alguns universitários estão bebericando num bar de forma que ultrapassa o limite do razoável! Talvez um dele tome a direção de um carro, se envolva num acidente e morra - ou, Deus nos livre, talvez ele mate sua filha ou seu pai!

 

   Você leitor, deve pensar: "isto não acontece em minha família. Não pode acontecer em minha casa". Espero que seja assim - mas você tem de se envolver, tem de vacinar sua família. Você vacinou seu filho contra pólio e contra sarampo. Seu neto contra difteria. Vacine-os também contra a praga do álcool e das drogas. Vamos lá gente. Vamos reconhecer o perigo antes que ele ocorra. Vamos atacar agora, a partir de hoje, não amanhã, não na semana ou no ano que vem.

 

   Não estou falando de alguma coisa longe de nós - estou falando do futuro da sua família. Na verdade eu vos digo: a droga vai mutilar o futuro do nosso povo. O álcool vai destruir famílias - já está fazendo isto. A compulsão pelo sexo vai causar divórcios e filhos que se envergonham de seus pais. Gente, compulsão e algo serio e existem ferramentas de prevenção em nosso meio!

 

   Você que leu ate aqui pode estar pensando: este Marcos e um alarmista! As drogas estão muito longe de mim. Desculpem-me, mas atenção ao que vem agora: a droga já está afetando sua vida - e muito. E eu afirmo isto sem medo de errar, mesmo que em sua família jamais tenha existido qualquer envolvimento com drogas! A droga está afetando cada hora de seu dia no assalto dos faróis e no medo que você sente numa rua escura. A droga está te afetando nos desastres envolvendo alguém alcoolizado ou drogado que mutila e mata algum conhecido e amedronta você também. A droga esta presente mesmo sem você saber quando o médico que vai operar seu pai esta sob efeito de drogas ou quando o motorista que leva seu filho à escola fumou unzinho ou dirige depois de algumas doses de birita. A droga está na sua vida no elevado custo do seguro de seu carro - afinal, se o drogado rouba, o seguro precisa cobrar! Ela está na sua vida através do terrorismo que ataca em todo mundo recebendo verbas da FARC (leia-se cocaína) ou da Al Qaeda (heroína).

 

   Eu não estou falando de amanhã, e sim do aqui e agora - e até no custo do estacionamento onde você põe o seu carro porque você não tem coragem de deixar na rua!

 

   Por favor, anote. Na vida atual só há duas certezas: Uma é que todos, um dia, morreremos. A outra é que todos nossos jovens - e eu vou repetir - todos nossos filhos e netos, sem exceção, pelo menos uma vez na vida terão diante de si alguém que lhe oferecerá drogas. Uns dirão não, mas outros vão experimentar. Dos que experimentarem, alguns serão um dia dependentes químicos. Será que você pode jurar que não será seu filho, sua neta ou um dos filhos de seus netos?

 

   Serei alarmista? Na Polônia, em 1939, muitos Judeus diziam: minha vida vai ser muito dura, mas isto vai passar. Afinal nos somos 6 Milhões - o que eles vão fazer, vão matar todos nós? Vão acabar conosco? Infelizmente, os alarmistas estavam certos. Vamos reconhecer juntos o perigo. Ele já chegou em nosso bairro, em nossa rua!

 

   Leitor: o que importa é o que você fará agora. Vai virar a página ou vai exigir da escola de seu filho para que se empenhe num efetivo programa de prevenção - não apenas uma palestra por semestre mas sim algo contínuo, curricular, envolvente. O que interessa é se você vai fazer valer seu direito de falar com as lideranças comunitárias para não deixar de lado um vulcão que esta lá no fundo, latente, mas que pode irromper quando menos se espera. Você e eu queremos ação - discursos já tivemos demais.

 

   Se você pensou em me elogiar por este artigo, eu te digo: não é necessário. Elogios me deixariam orgulhoso mas S. Paulo não precisa ter mais um orgulhoso. O que tem valor é teu engajamento. O que importa é o que você vai fazer ainda hoje - no máximo nesta semana, pela causa que me fez escrever aqui.

 

   O que interessa, meus amigos, é o que vamos fazer a partir de agora para vermos resultados já neste mês, neste semestre. Aonde você quer nos ajudar a chegar dentro de um ano? Você quer que a escola de seu filho tenha seis palestras neste ano? Que seu clube, escola ou grupo Juvenil inclua uma palestra franca sobre drogas antes da próxima viagem da Juventude?

 

   Muitas entidades estão dispostas a colaborar. Procure o AA ou o NA. Procure o Amor-Exigente, o NarAnon ou o AlAnon. Procure o JACS-Brasil. Visite os sites especializados na Internet. Só não vale cruzar os braços. Se você o fizer, corre o risco de algum dia, lá no futuro, olhar para o espelho e dizer chorando:  - "Por quê eu não agi quando era tempo?"

Artigo escrito por Marcos L. Susskind, presidente da Ong JACS - Brasil

(Judeus alcoólicos, comprometidos com drogas e seus familiares e amigos)

e colaborador do Diga Não às Drogas.