FUMANDO  SEM  QUERER

Pesquisa revela que cerca de 50 mil pessoas morrem por ano após ingerir fumaça produzida pelos fumantes ativos.

PODE-SE  PROIBIR?

É comum ouvir-se a pergunta: se o cigarro é tão mortífero, por que não se proíbe definitivamente sua fabricação e venda? Segundo a advogada Ana Paula Aguiar a resposta é simples: não se pode acabar com o tabagismo por decreto. O uso d tabaco no mundo data de 450 anos. "O tabagismo incorporou-se à sociedade como um comportamento normal que não se concede a nenhuma outra droga. Para banir o tabaco, é preciso antes criar uma sociedade consciente", fala.

Mais de 120 países têm legislação de âmbito nacional, de alguma forma objetivando combater o tabagismo: proibição total ou parcial da propaganda de produtos do tabaco, advertências nos maços e nos anúncios, proteção dos não-fumantes, proibição de fumar em locais oficiais e privados, de trabalho, saúde e ensino.

No Brasil existem leis e decretos que regem contra o fumo e no manuseio direto de produtos a base de tabaco como: propagandas e o fumo em alguns locais públicos e privados.

Especialista na área de direito trabalhista Ana esclarece que a legislação brasileira permite que uma pessoa que não fume, mas que trabalhe em empresa com fumantes, em caso de uma futura doença, decorrente da fumaça, possa vir a processar a empresa.

CURIOSIDADES  SOBRE  O  ATO  DE  FUMAR

Após uma tragada a nicotina chega ao cérebro em sete segundos. Em média traga-se dez vezes um cigarro. Quem fuma um maço por dia sofre, portanto, 200 impactos cerebrais de nicotina, totalizando 73 mil impactos por ano. 

Cada vez que a nicotina chega ao cérebro ela provoca a liberação de hormônios; muitos psicoativos. Os receptores específicos cerebrais que reconhecem a nicotina exigem, com o decorrer do tempo, quantidade cada vez maior da droga para dar nível de resposta. É a nicotina-dependência, cujo tempo de instalação varia conforme os organismos e a quantidade de cigarros diariamente consumidos. Dos adolescentes e jovens que se iniciam no tabagismo, quando chegam aos 19 anos, 90% tornam-se nicotino-dependentes.

A menopausa precoce é mais freqüente nas mulheres fumantes. Estas quando associam o fumo com a pílula anticoncepcional têm risco aumentado em até 700% de sofrer infarto do coração e acidente vascular cerebral. O tabagismo nas mulheres aumenta o risco de contrair câncer de colo e útero.

Quando a mulher fuma durante a gravidez aumenta as chances de deslocamento precoce da placenta, de aborto, parto prematuro.

Filhos de mães que fumam durante a gestação têm maiores riscos de prejuízos de desenvolvimento mental, no período escolar, por atrasos da habilidade geral, compreensão à leitura e à matemática.

Já foram identificadas no fumo, além da nicotina, mais de 4.700 substâncias.

Conforme a qualidade do tabaco e a maneira de tragar o cigarro, inala-se em cada tragada em média, de 2.000 a 2.500 dessas substâncias.

AS   LEIS   E   DECRETOS

Lei nº 11.999, de 03 de agosto de 1992.

Proíbe fumar nas unidades de saúde e de educação do estado. Proíbe fumar nos transportes coletivos intermunicipais.

Lei nº 1.508, de 22 de fevereiro de 1960.

Proíbe o uso do fumo em veículos de transporte coletivo, elevadores, recintos confinados em cinemas e teatros.

Lei nº 5.700, de 15 de julho de 1993.

Proíbe o uso do fumo em veículos de transporte coletivo, táxis, elevadores, cinemas e teatros, estabelecimentos de ensino e supermercados.

Lei nº 7.599, de 05 de agosto de 1994.

Institui um espaço ao não-fumante em bares, restaurantes, choperias, casas de chá e churrascarias.

Lei nº 9.294, de 15 de julho de 1996(regula o artigo 4º da constituição federal)

Dispõe sobre a propaganda de produtos fumígeros, derivados ou não do tabaco.

Decreto nº2.018, de 1º de outubro de 1996. Regulamenta a lei nº 9.294, de 15 de julho de 1996.

ORAÇÃO   DO   FUMANTE

Ó Deus, Criador de todas as coisas, vós destes ao homem a inteligência

que o torna capaz de conhecer a natureza da flora e as qualidades da vegetação.

Destes também ao homem a vontade livre para aceitar o que é bom

e rejeitar o que lhe faz mal.

Eu sei que o fumo prejudica a minha saúde, que fecha os pulmões,

que ataca o coração, que desequilibra o meu sistema nervoso.

Mas a minha vontade é tão fraca!

Eu quero deixar o fumo e não posso!

Jesus, eu me lembro de vossas palavras: "sem mim, nada podeis fazer" (Jo 15, 5c).

Talvez eu esteja confiando só em mim, em vez de confiar em vós.

São Paulo, dizia: "tudo posso naquele que me conforta" (FL 4, 13).

Então eu também, com a vossa ajuda, posso deixar de fumar.

Do enfarte do coração, livrai-me, Senhor!

Do câncer do pulmão, livrai-me, Senhor!

Do vício do fumo, livrai-me, Senhor!

De todo pecado, livrai-me, Senhor!

Amém