CLASSIFICAÇÃO  DAS  DROGAS

A palavra "droga" está associada tanto ao conceito de narcótico ou entorpecente quanto ao conceito de medicamento. A fim de evitar distorções, má aplicação e a generalização do têrmo, julgamos ser importante descrever uma classificação quanto a legalidade e características da mesma.

"Droga é qualquer substância, química ou a mistura delas (à exceção daquelas necessárias para a manutenção da saúde, como, por exemplo, água e oxigênio), que altera a função biológica e possivelmente a sua estrutura" , assim define, a Organização Mundial da Saúde (OMS). Ou seja, qualquer substância, natural ou sintética, que tem a capacidade de alterar as funções fisiológicas ou de comportamento da pessoa, é considerada como droga.

 

Quanto  à origem

NATURAIS

Certas plantas contém drogas psicoativas, sendo esta matéria-prima usada diretamente como droga ou extraída e purificada. Temos como exemplo os cogumelos e a trombeteira, consumidos sob a forma de chá.

SEMI-SINTÉTIQUE

São resultados de reações químicas realizadas em laboratórios nas drogas naturais. É o caso da cocaína, da maconha, do tabaco, do álcool. Algumas delas são produzidas em escala industrial, como as bebidas alcoólicas e o cigarro.

SINTÉTICAS

São produzidas, unicamente, por manipulações químicas em laboratório e não dependem, para sua confecção, de substâncias vegetais ou animais como matéria-prima. Temos como exemplos o LSD (Ácido Lisérgico) e o Ecstasy. Na categoria de drogas sintéticas incluem-se também os calmantes e os barbitúricos ou remédios para dormir, fabricados pela indústria farmacêutica com finalidade médica.

Quanto  à  legalidade

LÍCITAS

Não é crime produzir, usar e nem comercializar. O álcool, o tabaco e a cafeína são as drogas mais consumidas e de uso praticamente universal.

ILÍCITAS

São aquelas cuja produção, a comercialização e o uso são considerados crimes, sendo proibidos por leis específicas. As drogas ilícitas mais consumidas na sociedade brasieira são a maconha e a cocaína.

Quanto  aos mecanismos de ação

DEPRESSORAS

Promovem uma redução das atividades cerebrais e uma diminuição de suas ações e das funções orgânicas de um modo geral que deixam as pessoas mais relaxadas. (exemplos: álcool, tranquilizantes, opióides).

ESTIMULANTES

Aumentam a velocidade do processo de ações cerebrais e fazem com que as pessoas se sintam mais alertas, com mais energia, apresentando mais agitação. Há uma aceleração das atividades corporais. (principais exemplos: cocaína, anfetamina, nicotina e cafeína).

ALUCINÓGENAS

Alteram a percepção e o senso de tempo e espaço (principais exemplos: maconha, LSD, mescalina).

fonte: Curso de Formação de Multiplicadores de Informações Preventivas sobre Drogas da Secretaria Nacional Antidrogas