O DÍZIMO E SEUS IDEAIS

Esta reflexão é sobre o propósito de Deus relativo ao dízimo, sua importância, necessidade e finalidade para o povo e a Igreja, bem como a dimensão que busca em seu partilhar.

 

Mas, o Espírito Santo dia a dia vem iluminando e renovando nossos conhecimentos sobre a Palavra de Deus. Por isso, somos mergulhados constantemente em nova experiência, onde vivenciamos o amor divino e humano, oração e ação, pelos quais somos ligados à fé e as obras (Tiago 2,14-19).

 

É claro que Deus ao instituir o dízimo e diante da maneira que Ele próprio criou o mundo (Gen 1,1-31), tinha consciência que seu povo e a Igreja, iriam necessitar da partilha - sinal de justiça e igualdade. Por isso, vemos de Gênese a Apocalipse, a partilha e o dizimo, sendo evangelizado. O próprio Jesus, também não desprezou essa prática (Mt 23,23).

 

O dízimo tem a finalidade de atender à Igreja Templo - Clero e a Igreja - Povo.

 

Na Igreja Templo - Igreja Clero, basicamente encontramos suas instalações, acomodações, seus dirigentes, ou seja, aqueles chamados a uma vocação com ministério ordenado - sacerdotal.

 

A Igreja - Povo é o povo de Deus, ou seja, os leigos - chamados a um ministério régio (comum). Cada um, com a sua vocação para servir a Igreja, servir o Reino.

 

Vinculado o dízimo á Igreja Templo - Igreja Clero, ele atende as dimensões Missionária e Religiosa e na Igreja - Povo, está a dimensão SOCIAL (promoção humana).

 

Aprofundando um pouco mais, Deus ao visualizar as finalidades do dizimo, os viu com muito amor e misericórdia. No entanto, o ideal D’Ele seria muito mais, estava além disso.

 

Ao criar o homem à sua imagem e semelhança, com certeza, Deus pensou o de melhor.

 

A partilha e o dízimo, foram instituídos para que todos fossem atendidos, com amor e dignidade cristã. E, Deus assim quer, pois ama seus filhos.

 

Lembramos que Jesus Cristo é o nosso Senhor e Rei. Tendo Cristo como Rei, nós o povo e a Igreja, deve ter o de melhor e viver o melhor. A paz, justiça, fraternidade e generosidade, devem prevalecer. Que se vivam unidos, em oração e na fração do pão (Atos 2,42-47).

 

Associando-se tudo isso, o homem ainda como “ser humano” é o grande ideal de Deus. Individualmente em cada pessoa, como povo e Igreja, Deus quer aplicar seu amor, bondade e partilha. E, se assim caminharmos como Igreja e no dizimo, seremos sinais de Deus no mundo, a serviço do amor, da vida e do Evangelho.

 

Este é o objetivo essencial do dízimo. Veio para atender as dimensões e necessidades do homem e da Igreja - “gerar partilha, mas gerar vida”.

 

Deus não institui o dízimo para gerar dinheiro na Igreja. Ele o institui para o bem do seu próprio povo e da Igreja.

 

O dízimo que devolvemos a Deus “doamos a nós mesmos”, pois somos povo e participantes da sua Igreja.