O DÍZIMO É EXPRESSÃO DE FÉ, GRATIDÃO E PARTILHA

Quando a pessoa entenderá a necessidade do dízimo?

O cristão faz da bíblia o livro da vida. Este livro contém todos os mistérios do Senhor, falando do Emanuel, o nascido da Virgem, o realizador de obras e sinais estupendos, o morto e sepultado,

o ressurgido e salvador de todos os povos. Cristo é o poder de Deus e a sabedoria de Deus, e quem ignora as escrituras ignora o poder de Deus e sua sabedoria. Ignorar as escrituras é ignorar Cristo.

Jesus Cristo, o Filho de Deus vivo é a palavra, o Verbo que se fez carne e habitou entre nós. Nós completamos em nós a obra a que Deus nos convocou organizando a nossa comunidade e colocando em prática o mandamento do amor fraterno. Somos livres e co-responsáveis com a obra de Deus. Portanto, a necessidade do dízimo só é entendida quando a pessoa assume o seu ser cristão.

O que muda na vida do católico, quando este assume a Palavra de Deus?

Diante da nossa responsabilidade surge o preceito bíblico do dízimo. Quando o católico assume a Palavra de Deus, como o livro da vida, sua maneira de ver o mundo, a igreja e o dízimo, mudam significativamente. Para o cristão apaixonado por Cristo, o Reino de Deus torna-se o objetivo número um. As dores, as cruzes serão assumidas como parte do ser cristão na comunidade.

Com que força contamos, quando propomos o sistema do dízimo como forma de manter a comunidade?

Contamos com a força do espírito comunitário e a consciência de cada membro da comunidade. O cristão quando se abre à generosidade também faz do dízimo parte das exigências da fé. Comprometo-me com o dízimo a fim de que a comunidade possa ter o suficiente para o sustento da sua caminhada. O dízimo supõe generosidade inicial que vai, aos poucos, progredindo para um verdadeiro gesto de gratidão a Deus e empenho pelo Reino. O dízimo não é um encargo, mas sim a expressão livre e comprometida de quem reconhece a presença de Deus na sua vida, na família, nas dificuldades e sucessos; é compromisso comunitário de quem deseja levar aos outros as maravilhas do Reino de Jesus Cristo.

Que aspectos positivos colhemos do trabalho de conscientizar os fiéis, na adoção do dízimo como sistema de manutenção da Igreja?

- Descoberta da responsabilidade evangélica de cada cristão.

- sensibilidade maior pela justiça e de igualdade entre ricos e pobres;

- o sentido de esmola desaparece para valorizar o espírito de cooperação e serviço ao Reino;

- desenvolve-se o espírito de fé, de participação comunitária dos leigos;

- cria-se maior tranqüilidade para o padre se dedicar ao ministério, planejar as atividades pastorais e a evangelização na paróquia;

- quanto maior a conscientização, maior número de dizimistas e maior a arrecadação (cf. Estudos da CNBB 8 P. 69).

A necessidade do dízimo só é entendida quando a pessoa assume o seu ser cristão.