A B C D E F G H I J L M N O P Q R S T U V X Z

LEI DE MOISÉS

Ou Lei de Deus (Js. 24,26), é o conjunto das leis e prescrições religiosas e civis colecionadas nos cinco livros de Moisés ( Pentateuco), atribuídos a Moisés. Estes livros, que constituíam a parte básica da leitura e instrução nas sinagogas, contêm, além de coleções (Ex. 25–31; 36–40; Lv. 1–16; 23–27; Nm. 1–10; 17–19), alguns códigos mais amplos: Código da Aliança (Ex. 20,23-23,19), a Lei de Santidade (Lv. 17–22) e o Código Deuteronômico (Dt. 12–26).

Além destas leis escritas, os fariseus observavam a tradição oral, a Mixná, também atribuída a Moisés.

Posição de Jesus perante a Lei de Moisés: Jesus não veio para abolir a Lei de Moisés mas cumpri-la no seu essencial (Mt. 5,17). Observa a Lei (Jo. 2,13; 5,1; 7,10; Mt. 26,17-19; Lc. 22,7-15). Jesus, porém, além de criticar o abandono da Lei de Moisés por parte dos fariseus em favor de suas tradições (Mt. 15,2-9), contesta a própria Lei (Mt. 12,1-8.9.14; Lc. 13,1-17; Jo. 5,9-12; Mc. 1,41; 7,14-23; Lc. 7,14; Mt 5,21-48). A atuação de Cristo frente à Lei é um esforço por tirar as consequências da sua redução ao amor de Deus e do próximo (Mt. 7,12; 22,34-40; Mc. 12,28-34; Lc. 10,25-29).

Posição de Paulo perante a Lei: A polêmica que aparece em At. 7,1-53; 10,1–11,18 atinge o seu ponto culminante com o apóstolo dos pagãos (Gl. 1,16; At. 15,1-33): somos justificados não pelas obras da Lei mas pela fé em Cristo (Rm. 3,20-28; Gl. 2,16-21; 3,11). A Lei não justificou nem a judeus nem a gentios (Rm. 2,12-24). A Lei era transitória (Rm. 5,20; 7,1-6; Gl. 2,19; 3,13).

A Lei de Cristo (1Cor. 9,21; Gl. 6,2) é a “plenitude” da Lei mosaica (Rm. 13,8-10). É a pessoa de Cristo (Ef. 4,20). É a lei do Espírito (Rm. 8,2). É a lei da liberdade (Gl. 5,1.13), a lei da fé (Rm. 3,27). É o mandamento novo (Jo. 13,34; 15,12; 1Jo. 3,23).

Além da Lei de Moisés e da Lei de Cristo existe a Lei natural (At. 14,16; Rm. 1,19s; 2,14s).

LEITE E MEL

São produtos naturais da terra de Canaã, obtidos sem muito trabalho. Por isso a Terra Prometida é descrita, em oposição ao deserto, como “terra onde corre leite e mel”(Ex. 3,8; Nm. 13,27; Dt. 6,3). Leite e mel simbolizam as bênçãos divinas da Terra Prometida. A abundância de leite é sinal de prosperidade e riqueza e imagem da felicidade dos tempos messiânicos (Jl. 4,18; Is 55,1; 60,16).

LEPRA

Duvida-se que esta palavra nas traduções bíblicas indique a mesma doença que nós hoje conhecemos por lepra ou “mal de Hansen”. De fato, “lepra” nas versões da Bíblia traduz o termo hebraico sara‘at, que inclui qualquer doença de pele e mesmo manchas em paredes ou roupas (cf. Lv. 13–14 e notas).

Não se justifica, pois, pela Bíblia o ostracismo social em que nossa sociedade coloca os “leprosos”(hansenianos). O motivo pelo qual na Bíblia se isola o “leproso” não é o medo de um contágio por algum bacilo, mas o da impureza ritual (puro-impuro). Cristo curou o leproso tocando-o com a mão (Mc. 1,40-45), sem temor algum de contágio ou impureza, mostrando assim que a impureza que contamina é aquela que vem do coração (Mc. 7,15-23).

A lepra (hanseníase ou hansenose) que nós hoje conhecemos é uma enfermidade crônica, moderadamente contagiosa, com alterações principalmente na pele e nos nervos periféricos. Primeiros sinais: manchas mais claras na pele que se caracterizam pela “dormência”(insensibilidade à dor, ao frio e ao calor); aos poucos as inflamações nos nervos periféricos vão produzindo deformidades nas extremidades (mãos e pés). Hoje a ciência descobriu vários remédios que curam ou interrompem o processo da doença, sobretudo se a assistência médica for logo procurada. Feito o tratamento adequado a pessoa pode voltar ao seu trabalho e ao convívio familiar, sem perigo nenhum de contágio.

É, pois, um preconceito desumano, destruidor da fraternidade e nada cristão negar emprego ou vaga na escola a um hanseniano, ou, pior ainda, rejeitá-lo do convívio familiar.

LEVIRATO

O termo vem do latim levir, “cunhado”. Normalmente o casamento entre cunhados era proibido (Lv. 18,16; 20,21). Mas a lei do levirato obriga o cunhado a casar-se com a cunhada, quando esta ficou viúva sem ter tido um filho homem (cf. Dt. 25,5s e nota). O primeiro filho desta união era considerado filho e herdeiro do falecido. A finalidade principal de tal matrimônio era conservar o nome do falecido e a propriedade dentro do clã (cf. Gn. 38; Rt. 4,3-5; Mt. 22,24 e notas).

LEVITA

Na tradição israelita é um membro da tribo de Levi, o terceiro filho de Jacó e Lia (Gn. 29,34; 35,22-26). Mas originariamente “levita” era alguém que exercia funções sacerdotais. Com o tempo, todos os que exerciam funções sacerdotais foram identificados com a tribo de Levi. Mais tarde, quando o sacerdócio de Jerusalém passou a ser considerado o único legítimo, os sacerdotes que exerciam as funções fora de Jerusalém foram degradados à função de auxiliares do culto (1Cr. 23,4-6). Ver as notas em Nm. 3,11-13; 8,10-12; 18,20-25.

LIBAÇÃO

Rito complementar de um sacrifício, que consistia em derramar azeite, água e vinho em torno do altar (Gn. 35,14; 2Sm. 23,16; Dt. 32,38). Paulo usa o termo em sentido figurado (Fl. 2,17; 2Tm. 4,6).

LÍBANO

Cadeia montanhosa ao norte da Palestina. O nome vem de laban, que significa “ser branco”, e alude aos picos cobertos de neve (Jr. 18,14).

LIBERDADE

Cristo nos libertou da Lei mosaica (Rm. 6,17-23; 7,1-6; Gl. 4,4-31; Lc. 4,18s). Consiste na libertação do pecado (Jo. 8,31-36; Rm. 6,22; Gl. 5,1.13; Tg. 1,25; 2,12; 1Pd. 2,15s). Vem pela fé em Cristo (Rm. 6,17-23; Gl. 4,21-30). Onde age o Espírito aí há liberdade (Rm. 8,2; 2Cor. 3,17); a liberdade tem limites (Gl. 5,13-26).

LIBERTAÇÃO

Ação pela qual uma pessoa ou um povo são tirados da escravidão, tornando-se livres. No AT o povo de Deus passou por duas experiências históricas de libertação: da escravidão do Egito (cf. Ex. 3,12; 19,1–24,11) e do cativeiro da Babilônia. No NT a libertação não é uma experiência político-temporal, mas sobretudo espiritual. Só Cristo pode libertar a pessoa humana (Jo. 8,32-36; Rm. 6,18-22) da Lei, do pecado e da morte (7,3-6; 8,2), para colocá-la a seu serviço e ao de seus irmãos (1Cor. 7,21s; 9,19).