1º CONGRESSO LATINO AMERICANO E DO CARIBE SOBRE O DIACONATO PERMANENTE

DOCUMENTO DE TRABALHO DA CONCLUSÃO FINAL

I.Luzes e sombras do diaconato em nosso continente

Luzes

Sombras

FORMAÇÃO

Nível propedêutico

O aparecimento de um maior acompanhamento vocacional do aspirante

1. Falta de uma pastoral vocacional orgânica.

Formação do candidato

1.A procura de uma homologação nos conteúdos dos programas formativos

2.O esforço do candidato para conseguir sua formação teológica-pastoral

3.Constata-se a necessidade de uma formação específica do diácono permanente em temas relacionados ao exercício do ministério nas pastorais ambientais.

4.A presença cada vez mais da esposa na formação do diácono permanente.

1.Necessidade de estabelecer critérios comuns

2.Constata-se a existência de diferentes intensidades na formação em cada uma das diferentes dioceses do continente.

3.Restrições de tempo para a formação.

4.Em algumas dioceses, a distância para chegar ao centro de formação.

5.Falta uma adequada formação do candidato para desempenhar o seu ministério nos âmbitos da caridade, do anúncio da palavra e da liturgia.

6.A falta de preparação e acompanhamento de algumas esposas durante o período de formação do marido.

Formação permanente do diácono permanente

1.Reconhecimento progressivo da importância da formação permanente.

2.O aumento do número de Escolas diaconais dedicadas à formação permanente, sobretudo com o emprego de novas tecnologias de ensino à distância.

1.A escassez de pessoal capacitado para a formação dos diáconos permanentes.

2.Falta de uma metodologia para levar a cabo o processo da formação permanente.

3.O pouco interesse dos diáconos em sua formação permanente, com a ausência a encontros e momentos de formação.

4.A falta de Escolas diaconais em algumas dioceses.

A falta de atualização de alguns temas teológico-pastorais.

VIDA E MINISTÉRIO

Realidade continental do diaconato permanente.

1.Um crescimento gradual e constante do número de diáconos permanentes. Nas diversas igrejas locais e nacionais.

2.A boa disposição do diácono permanente para colaborar com as atividades eclesiais.

O diácono permanente realiza seu ministério com alegria, sabendo que vive em uma igreja pobre, que sofre, que trata de superar as adversidades. Nesta realidade, o diácono permanente faz ouvir sua voz.

1.No entanto, muitas dioceses ainda não restauraram o diaconato permanente.

2.No entanto, aparecem desculpas para não restaurar o diaconato permanente, por se considerar suficiente o número de sacerdotes.

3.Os diáconos permanentes são geralmente pobres e um certo número, desempregados.

4.Tem diáconos que percorrem grandes distâncias para exercer o seu ministério

5.Os diáconos permanentes precisam de um certo tempo ao trabalho para manter a sua família.

O diaconato permanente em relação à família e ao trabalho

Apoio familiar, especialmente por parte da esposa, nas tarefas pastorais.

Reconhecimento, por parte de alguns bispos e vigários, da necessidade do diácono dedicar parte do tempo à família. 

1.O descuido da família por causa das tarefas pastorais.

2.A falta de equilíbrio na distribuição do tempo entre a família e o trabalho pastoral.

O diácono permanente na sociedade

O diácono permanente, por causa da sua vivência, adquire uma maior consciência da realidade social.

O diácono permanente, com a sua presença, anima as comunidades das quais participa.

 

O diácono permanente na Igreja

Observa-se uma maior participação do diácono permanente nas instituições diocesanas e paroquiais, de modo especial nas áreas da caridade e da administração.

1. A pouca presença de diáconos permanentes em comissões pastorais e sociais, a níveis internacional, nacional, diocesano e paroquial.

II.Futuras linhas de ação do diaconato no continente

PERFIL DO DIÁCONO PERMANENTE

 

CARACTERÍSTICAS

LINHAS DE AÇÃO

SUGESTÕES

LITÚRGICA

. Ser, na sua vida, um homem de fé, aberto à oração, configurando, assim, dia a dia, a sua espiritualidade.

. Que o serviço do altar se constitua no meio de se ofertar os trabalhos da sua comunidade eclesial.

. Procurar estar em sintonia com as direções e propostas das Conferências Episcopais.

. Incentivar estudos de liturgia nas suas comunidades, a fim de educar o povo para que conheçam as funções litúrgicas inerentes ao seu ministério.

. Contribuir, nas suas comunidades, para inculturar a liturgia.

. Estar consciente das realidades das suas comunidades, a fim de estar inserido na orientação das mesmas.

. Apoiá-las em seus crescimento e maturidade espiritual.

. Estabelecer uma coerência entre o seu ministério e as atividades pastorais nas quais se requer seu apoio, solidariedade e estima.

. Deve procurar chegar ao conhecimento pleno da liturgia, através de estudos e comunicação frequente com o seu vigário.

PROFÉTICA

. Testemunha com a sua vida a palavra que prega.

. Assume a atitude profética que une o anúncio e a denúncia.

. procura adequar-se sempre aos níveis dos receptores da sua mensagem.

. Organiza a pastoral profética, dando especial atenção à catequese e aos ambientes mais marginalizados.

. Exortar, na sua pregação, a responder com atitudes de vida

. Incorporar a sua família no desenvolvimento da sua pastoral.

. Cuidar da seleção do candidato.

. Conjugar, no seu estudo e na sua reflexão, a dimensão teológica e bíblica, assim como o Magistério da Igreja.

. Participação nos encontros regionais.

. Utilizar os meios ao seu alcance para a difusão da Palavra.

. Fomentar a participação de diáconos permanentes na organização de encontros e congressos.

SOCIAL

. Conscientizar-se no ser e na missão do diaconato permanente.

. Sensibilizar-se com o social e identificar-se com as necessidades do pobre e do marginalizado.

. Promover a caridade e a igualdade nas suas comunidades.

. Fortalecer a sua "diakonia" na contemplação da atitude de Cristo Servo.

. Intensificar os seus conhecimentos no que diz respeito ao Magistério social da Igreja e a realidade social do país.

. Estar presente em sua ação pastoral, a ação pastoral da Igreja pelos pobres e marginalizados.

. Estar presente aos encontros nos quais se faça a reflexão sobre a ação social da Igreja.

. Maior participação do diácono permanente nas organizações sociais.

. Desenvolver habilidades para a liderança e a direção social.

III.Conclusões e recomendações

CELAM

1.Considerar a possibilidade de solicitar à Santa Sé a isenção do pedido de autorização nacional para a instauração do diaconato permanente nas dioceses.

2.Manter a estrutura continental desenvolvida pelo DEVYM para que garanta os encontros latino-americanos e regionais e para assegurar melhor o caminho comum para a formação.

3.Manter o grupo de estudos para que pesquise, em matéria teológica pastoral, os eixos fundamentais da natureza da missão do diaconato permanente.

4.Manter as relações com o Centro Internacional do diaconato para o seu intercâmbio enriquecedor de experiências.

CONFERÊNCIAS EPISCOPAIS

1.Propiciar um estudo que atualize a Ratio de preparação dos diáconos permanentes.

2.Elaborar um diretório litúrgico para o diácono permanente, para que oriente o desempenho do seu ministério.

3.Promover a criação de conselhos consultivos para a formação e o acompanhamento do diaconato permanente.

4.Fomentar os encontros e convivências de diáconos permanentes e suas esposas a nível nacional.

IGREJAS PARTICULARES

1.Promover a criação de Escolas diaconais de acordo com as necessidades pastorais locais a nível da preparação dos candidatos e da formação permanente do diácono permanente.

2.Desenvolver uma pastoral vocacional para o diaconato permanente.

3.Mostrar, aos seminaristas, a riqueza da presença do diaconato permanente na Igreja.

4.Favorecer a comunhão do diácono permanente com o seu pastor e seus irmãos sacerdotes.

5.Convidar os diáconos permanentes para as reuniões do clero.

6.Promover confraternizações e retiros dos diáconos permanentes e suas esposas.

PARÓQUIAS E COMUNIDADES DIACONAIS

1.Integrar os diáconos permanentes nos Conselhos paroquiais (pastoral e econômico)

IV. Conclusões dos trabalhos no grupo das esposas dos diáconos presentes

CARACTERÍSTICAS QUE A ESPOSA DO DIÁCONO PERMANENTE DEVE REUNIR

1.Ser imitadora da Virgem Maria no silêncio, na participação, na capacidade de escuta, na atenção às necessidades do próximo, na fortaleza, prudência e simplicidade, na oração, esperança e fidelidade.

2.Uma mulher paciente, compreensiva, tolerante, discreta, alegre, virtuosa, aberta ao diálogo, modesta no modo de vestir.

3.Com sólida base cristã. Que saiba dar testemunho de sua vida cristã e que esteja disposta a crescer na fé e no conhecimento.

4.Tem coerência entre o seu pensamento e a sua ação. Capaz de inserir-se no trabalho comunitário.

5.É uma mulher que sabe que a primeira vocação do seu marido - ao menos na ordem temporal - é a do matrimônio, e que o diaconato permanente deve enriquecê-la; Que é feliz porque se associa à vocação do seu marido.

6.Que saiba suprir a ausência do esposo no lar, para que também o ajude para que ele encontre um equilíbrio na distribuição do seu tempo entre a família e o ministério.

MANEIRAS DE ACOMPANHAR O ESPOSO NO EXERCÍCIO DO MINISTÉRIO DIACONAL

1.A primeira forma de acompanhá-lo é com a sua espiritualidade, nos momentos de oração e com a oração da Liturgia das Horas.

2.Através dos carismas e possibilidades  de cada uma, nas diferentes pastorais: matrimonial, familiar, social, educativa, catequética, da saúde, carcerária, etc.

3.Estando atenta aos cuidados com a assembléia, especialmente no cuidado com seus ornamentos.

4.Ajudando a preparar palestras, retiros, jornadas, etc.

SUGESTÕES PARA MELHORAR ESSE ACOMPANHAMENTO

1.Conseguir uma adequada formação durante o tempo de preparação do esposo para o diaconato permanente, tanto no aspecto espiritual, como no doutrinal.

2.Depois da ordenação, continuar essa formação de maneira permanente.

3.Que, na medida do possível, a esposa participe da atividade pastoral do diácono permanente.

4.Integrar os filhos em encontros e atividades paroquiais, diocesanas e nacionais.

5.Organizar confraternizações e intercâmbios que incluam toda a família do diácono permanente.

6.Que a comunidade cristã: a) facilite a integração da família do diácono permanente; b)que não o deixe descuidar da atenção à família.

7.Participar de retiros espirituais junto com o marido.

8.Ser consciente de ser esposa de diácono e não "diaconisa"

9.Contar com um diretor espiritual, se possível, o mesmo do marido.

10.Que o DEVYM continue  aprofundando os aspectos da dupla sacramentalidade do diácono permanente.

11.Que o DEVYM estude a possibilidade de integrar a esposa e os filhos no rito da ordenação (DEVYM = Dep. De Vocaciones y Ministérios do CELAM)

Lima, 13 a 16 de agosto de 1998