CATÓLICO  NÃO  PODE  SER  ESPÍRITA

A evocação dos mortos é condenada amplamente na Bíblia: Levítico 19,31; 20,6; 20,27; Deuteronômio 18,10 - 14. É superstição. A oração que os cristãos dirigem aos Santos, não se baseia em fórmulas ou receitas mágicas, mas unicamente na certeza de que Deus quer conservar a comunhão entre os membros do Corpo Místico de Cristo, por isto Ele faz que os justos no céu tomem conhecimento das preces despretensiosas que lhe dirigimos na Terra, e, em conseqüência , intercedam por nós. O espiritismo, quer o kardecista, quer o afro-brasileiro está fundamentado na teoria de que existe comunicação dos vivos com os mortos mediante determinados processos até mesmo mágicos. Grande ilusão! Muitos fenômenos naturais e não sobrenaturais podem ser explicados pela parapsicologia que não existia nos tempos de Allan Kardec ( 1804 - 1969). Adite-se que a reencarnação, outra pedra básica da doutrina espírita não tem base filosófica e muito menos teológica, bíblica.

Há muitos truques que até mesmo, posteriormente, foram denunciados por aqueles que antes de deram a práticas espíritas, como aconteceu com as célebres irmãs Fox, cujas experiências deram origem ao Espiritismo moderno. Um católico não pode ser espírita. Muitos cristãos se deixam, porém, seduzir por fatos que se dizem prodigiosos, sobretudo no que tange à comunicação com os mortos, mas que não possuem nenhum fundamento. A tática de se adotar uma aparência católica engana também a muitos por darem nomes de Santos populares para Centros Espíritas, e até mesmo, o nome de Jesus.

Cônego  Vidigal