21º Encontro

Nascimento de Jesus

O povo hebreu preparou a vinda do Salvador durante muito tempo. Quase dois mil anos após Abraão, Deus enviou o que ele havia prometido: seu próprio filho.

A vinda de Jesus foi preparada por um grande profeta: João Batista. Vamos ler na Bíblia como se deu o nascimento de João (Evangelho de Lucas 1, 57 - 66).

João cresceu forte e começou a pregar a vinda de Jesus. Ele foi morar à margem do rio Jordão e ai ele batizava e dizia: "Convertei-vos, porque o Reino de Deus está próximo" (Mt. 3,2). E ainda: "Quem tiver duas roupas, reparta-as com aquele que não tem; quem tiver o que comer, faça o mesmo" (Lucas 3,11).

Quando foi perguntado a João Batista sobre a vinda do Messias, ele respondeu: "Eu vos batizo com água, mas vem aquele que é mais forte do que eu ... ele vos batizará com o Espírito Santo e com fogo". ( de Lucas 3,16).

Jesus nasceu pobre, no meio dos pobres. Vamos ler na Bíblia como se deu o nascimento dele.

"No sexto mês, o anjo Gabriel foi enviado por Deus a uma cidade da Galiléia, chamada Nazaré, a uma virgem desposada com um varão chamado José; o nome da virgem era Maria."

Entrando onde ela estava, disse-lhe: "Alegra-te cheia de graça, o Senhor está contigo". Ela ficou intrigada com estas palavras e pôs a pensar qual seria o significado da saudação.

O anjo, porém, acrescentou: "Não tenhas medo, Maria. Encontraste graça junto de Deus. Eis que conceberás e darás à luz um filho, e o chamarás com o nome de Jesus" (Lucas 1,26-31).

O evangelista São Lucas continua: "José subiu da cidade de Nazaré, na Galiléia para a Judéia, à cidade de Davi, chamada Belém, para se inscrever com Maria, sua mulher, que estava grávida. Enquanto lá estavam, completaram-se os dias para o parto e ela deu à luz o seu filho primogênito, envolveu-o com faixas e reclinou-o numa manjedoura, porque não havia um lugar para eles.
Na mesma região havia uns pastores que estavam nos campos e que durante as vigílias da noite montavam guarda ao seu rebanho. O anjo do Senhor apareceu-lhes e disse: 'Não tenhais medo! Eis que eu vos anuncio uma grande alegria, que será para todo o povo: "Nasceu hoje o Salvador que é o Cristo Senhor, na cidade de Davi. Isto vos servirá de sinal: encontrarás um recém-nascido envolto em faixas e deitado numa manjedoura".

Quando o anjo os deixou, os pastores disseram entre si: "Vamos já a Belém, e vejamos o que aconteceu, o que o Senhor nos deu a conhecer". Foram então as pressas e encontraram Maria, José e o recém-nascido deitado numa manjedoura. (Lc.1,26-31 e 2,4-17).

Após o nascimento, Jesus precisou fugir, junto com seus pais, porque o rei Herodes decidiu matá-lo, por medo de perder o seu poder (Mt. 2,13-15).

Ao voltar do Egito para sua terra natal,após a morte do rei Herodes, Jesus viveu com sua a família na cidade de Nazaré e, nos momentos de folga, ajudava seu pai José nos trabalhos de carpintaria ou sua mãe Maria nos trabalhos de casa.

Todos os anos os pais de Jesus iam para a cidade de Jerusalém para participar da festa da Páscoa. Com a idade de doze anos, também Jesus foi com eles para a cidade santa. Após os festejos, seus pais e parentes voltaram, mas Jesus ficou em Jerusalém. Quando seus pais notaram sua ausência, voltaram para procurá-lo. Após várias buscas o encontraram no Templo conversando com um grupo de "sábios" e entendidos da Bíblia, ouvindo, e fazendo perguntas. Maria e José ficaram admirados diante de tanta sabedoria de Jesus. Vamos ler juntos o ocorrido e trocar idéias (Lc. 2, 41 - 50).

Voltando para sua cidade, Jesus continuou submisso aos seus pais, enquanto crescia "em sabedoria, estatura e graça diante de Deus e dos homens" (Lc. 2, 52).

Desde sua infância, Jesus nos ensina a nova maneira de viver em comunidade.

Nós também, para sermos amigos de Jesus, devemos sempre ajudar a todos aqueles que precisam de nós e respeitar as pessoas. Devemos viver a fraternidade, a sinceridade e o perdão, Jesus convida todas as crianças para seguir o seu exemplo. Seguir a Jesus é viver a felicidade verdadeira.

 

22º Encontro O batismo de Jesus: começo da missão

Jesus viveu toda a sua infância e adolescência na pequena cidade de Nazaré. Aí ele trabalhou, estudou e rezou na sinagoga, teve seus amigos e cresceu, procurando obedecer a José, Maria e fazer a vontade do Pai celestial (Carta aos Filipenses 2, 6 - 11).
Chegando à idade madura, Jesus foi da Galiléia ao rio Jordão para se apresentar a João Batista a fim de ser batizado. O batismo de João marcava a conversão de todos os pecadores, desejosos de voltar a viver a vida de Deus. Jesus não precisava cumprir este rito, pois não conheceu o pecado. Mesmo assim, Jesus entrou na fila dos pecadores, para se solidarizar com todos os que carregam o grave fardo do pecado e devolver-lhes a esperança do perdão divino.
Quando João Batista o viu, logo se desculpou dizendo: "Eu que tenho necessidade de ser batizado por ti e tu vens a mim?" (Mt. 3, 14). Mas Jesus respondeu: "Deixa-me. Quero cumprir tudo que Deus manda" (Mt. 3, 15).

Ao sair das águas, uma voz ressoou no céu, dizendo: "Este é o meu filho amado, em quem ponho minha alegria!" (Mt. 3, 17).

Estas palavras nos confirmam que Jesus é realmente o nosso Salvador, o Filho de Deus enviado aos homens para libertá-los da morte e do pecado. A primeira carta de João atesta claramente: "É assim que o amor de Deus se manifesta a nós: Deus mandou seu filho único ao mundo para que recebêssemos a vida por ele" (4, 9). Portanto, quem conhece e vive a Boa Nova de Jesus, conhece e ama a Deus Pai: "Ora, a vida eterna é esta: que eles te conheçam a ti, o Deus único e verdadeiro, e àquele que enviastes, Jesus Cristo" (João 17, 3).
Após o batismo, Jesus retirou-se no deserto para rezar e jejuar, a fim de se preparar para a missão pela qual foi enviado pelo Pai.
Durante a permanência no deserto, Ele foi tentado pelo espírito do mal, o demônio, autor e causa de todas as "desgraças" que afligem a vida dos filhos de Deus! (Cf. Mt. 4, 1 – 11 ou Lc. 4, 1 - 13).
Satanás tentou propor a Jesus outro "projeto alternativo" ao Projeto do Pai. Mas Jesus resistiu às tentações do poder e do ter e derrotou o antigo inimigo. Veja como a tentações do demônio podem nos seduzir e levar longe da prática da justiça, fraternidade e solidariedade.
No deserto Jesus teve fome. Então o tentador disse-lhe: "Se és Filho de Deus, manda que estas pedras se transformem em pães". Jesus respondeu: "Não só de pão vive o homem, mas de toda Palavra que sai da boca de Deus" (Mt. 4,3-4).

Em seguida o diabo levou Jesus no topo da torre mais alta do templo e falou-lhe: "Se és o Filho de Deus, lança-te daqui abaixo. Pois Deus enviará seus anjos para te socorrer".

Jesus respondeu: "Está escrito na Sagrada Escritura: "Não tentarás ao Senhor teu Deus". Finalmente Jesus foi levado a um alto monte. Foram-lhe mostrado todos os reinos do mundo e o tentador falou: "Tudo isto te darei se, prostrado, me adorares". Jesus respondeu: "Fora daqui Satanás! porque está escrito que só a Deus adorarás e prestarás culto!" (Mt. 4, 10)
Nós também somos tentados, todos os dias. O pecado é a nossa experiência cotidiana de fraqueza e miséria. Mas Jesus nos garante, por sua Morte e Ressurreição, a vitória contra toda e qualquer tentação que procura entristecer o coração da criatura.

Ao praticamos um gesto de amor e caridade, quando perdoamos a um irmão que nos ofendeu, quando ajudamos um pobre ou vivemos retamente o Evangelho, estamos afastando todo mal dentro de nós e estamos ressuscitando com Jesus Cristo.

Depois da difícil prova das tentações, Jesus inicia a pregação da Boa Nova, anunciando o Reino de Deus nesta terra e convidando todos a mudar de vida: "Convertei-vos, porque o Reino de Deus está próximo" (Mt. 4, 17). Para todos Jesus tinha uma palavra amiga e fraterna. Estava nascendo um novo povo: a Igreja, Povo de irmãos, filhos do mesmo Pai, construtores de um mundo melhor.
Doentes, prostitutas, pecadores e todo excluídos se sentiu amado, acolhido e valorizado por Jesus. Para todos Ele tinha um gesto de misericórdia e compreensão: os curava, os perdoava e os mandava de volta para sua casa cheios de Vida. O projeto de Deus Pai se concretizou em Jesus que veio "para que todos tenham Vida em abundância!"

 

23º Encontro

Jesus forma uma comunidade

Após o batismo, Jesus andava por todas as cidades e pregava o bem a todo o povo. Chamava à atenção aos homens errados. Perdoava aos pecadores arrependidos e curava todos os doentes que o procuravam. A todos Ele pedia de viver a justiça e a fé em Deus Pai.
Jesus preocupou-se para que esta sua missão nunca parasse. Por isso formou um grupo de amigos que pudesse continuar a sua obra. Estes primeiros amigos são conhecidos com o nome de apóstolos.

Jesus chamou a muitos para segui-lo, mas nem todos aceitaram o convite. Conta o Evangelho de Lucas que um belo dia Jesus encontrou um jovem rico e o convidou a seguí-lo: “Vende tudo o que tens, distribui aos pobres e terás um tesouro nos céus; depois vem e segue-me (18, 22). Mas diante da proposta de Jesus o jovem "ficou cheio de tristeza" e virou as costas e preferiu seguir noutro rumo.

O propósito de Jesus era formar um grupo coeso de amigos que teriam continuado a missão do Mestre. Doze homens aceitaram viver e se arriscar com Jesus. Quatro eram pescadores: Pedro (Simão) e seu irmão André; Tiago e seu irmão João, filhos de Zebedeu. Havia também outro Tiago que era parente de Jesus. Um era cobrador de impostos, Mateus, chamado também Levi. Os outros eram: Filipe, Bartolomeu (Natanael), Tadeu, Judas, Simão e Tomé.

Eram todos gente simples, pobre, sem muita instrução, mas homens de grande disponibilidade.
Jesus demorou três anos para que aprendessem o jeito de viver juntos. No começo não foi fácil. Aos poucos, Jesus os ajudou a entender que deviam viver e trabalhar unidos, sem competição.
Aconteceu que um dia, Tiago e João fizeram a Jesus um pedido: "Quando o senhor se tornar rei, deixa-nos sentar à tua direita" (20, 21). Eles estavam pedindo poder e riqueza terrena. Mas Jesus os corrigiu logo com muito amor: "Vocês sabem que os governadores mandam no povo e que são os lideres que dominam. Entre vocês não pode ser assim. Ao contrário, quem quiser -ser importante sirva os outros,  porque também Eu vim, não para ser servido, mas para servir  e dar a minha vida" (Mt. 20,26 ss.)

Jesus enviou os doze apóstolos para pregar a Boa Nova, curar os doentes e expulsar os demônios (Mt. 10, 9) e fez estas recomendações: "Não levem muitas coisas com vocês. Não levem ouro, prata, moedas. Não levem sacolas ou roupas. Isso pode atrapalhar.

E Ele continuou: "Quem prestar atenção as suas palavras, diga-lhes “A Paz esteja com você. Quem não quiser vos ouvir, deixa-o ao seu destino".

E depois falou-lhes: "Tenham muito cuidado, porque por minha causa serão perseguidos, presos e mortos. Mas não tenham medo.  Deus vos protegerá e iluminará com sua sabedoria" (Evangelho de Mateus 10,17 ss.).

Os Apóstolos foram, dois a dois e fizeram tudo o que Jesus pediu e realizaram ,muitas obras boas.

Quem confia na Palavra de Jesus e ama os seus irmãos, sempre à abençoado e trabalha para um mundo mais fraterno e mais justo.

O grupo dos doze ficou unido por três anos, mas ao findar este prazo, um deles desistiu e abandonou o Mestre. Judas Iscariotes se deixou corromper e traiu a Jesus em troca de um punhado de moedas. Vamos ler e refletir juntos este triste fato (Jo 18, 1 - 9)
A
Mas Judas não foi feliz. Se suicidou logo depois, com o grande remorso de ter entregue a morte o Filho de Deus. Jesus é o "caminho, a verdade e a vida: quem vai com ele, caminha na direção da casa do Pai.

 

24º Encontro As parábolas de Jesus

Jesus é o Filho de Deus que veio a este mundo para nos ensinar as coisas do Pai do céu e formar uma comunidade de irmãos. Jesus nos deixou muitos ensinamentos, para que nos pudéssemos viver a fraternidade, o amor e o perdão.  Nos quatro Evangelhos encontramos historias bem simples e fáceis, chamadas parábolas, que Jesus contou aos seus ouvintes
Vamos conhecer umas delas 
Um dia perguntaram a Jesus: "0 que devo fazer para conseguir a vida eterna?" e Jesus respondeu: ",Amarás a Deus com todo o teu coração e ao teu próximo como a ti mesmo.  Perguntaram novamente: "Quem é o meu próximo?'' (Lc. 10, 30). Então Jesus contou a parábola do bom samaritano. Vamos lê juntos no Evangelho de Lucas: 10, 30 37
Quem quer ser cristão de verdade, deve viver e agir como o samaritano misericordioso da historinha. Jesus é o bom samaritano que sempre nos socorre e perdoa. Nós também devemos respeitar e amar todos os nossos colegas e amigos, vivendo a caridade e nos ajudando nas horas difíceis. Desta maneira somos realmente filhos queridos do pai
Um pai tinha dois filhos. O mais novo, um belo dia decidiu sair de casa e pediu sua parte da herança
Outra vez Jesus contou esta parábola. Um pai tinha dois filhos. O mais novo, um belo dia  decidiu sair de casa e pediu sua parte.
Longe de casa o moço gastou tudo o que tinha e acabou na miséria, obrigado a roubar a comida aos porcos. Então decidiu voltar.
Chegando perto de casa, o pai o viu e ficou logo muito feliz. Abraçou o filho e mandou preparar uma grande festa, porque o filho que estava perdido foi reencontrado (Lucas 15, 11 - 24). 
Deus é este pai que recebe o filho de volta. Nós, quando pecamos, somos este filho que se afastou da casa do pai. Porém Deus sempre nos dá uma possibilidade para voltar a viver a amizade com Ele: recebendo o seu perdão e vivendo na comunidade cristã. Vamos ler novamente esta historia que nos mostra a misericórdia de Deus no evangelho de Lucas (15, 11 - 24).
Todos nos somos chamados a viver a amizade com Deus e a fraternidade aqui na terra.  A Igreja é a comunidade onde aprendemos esta lição de amor. Mas nem todos os homens aceitam esta proposta de Jesus. "Muitos são chamados, mas poucos escolhidos" (Mt. 22,14) nos diz o divino Mestre. E Ele contou esta outra parábola (Mt. 22, 1 - 10).

Um rei organizou uma grande festa. Mandou seus servos para convidar os amigos, mas ninguém aceitou o convite. Uns deviam fazer negócio e outros até mataram os servos do rei. Muito furioso o rei mandou castigar estes amigos ingratos e falou: "A festa está pronta: ide e convidai a todos os que encontrarem. E a sala ficou cheia de convidados."

Quando nós deixamos de participar da comunidade, por preguiça ou outro motivo  de comodismo, estamos dizendo não a Deus. Jesus prepara para nós, toda semana, uma festa: a celebração da Eucaristia. Participando dela, crescemos na amizade com Jesus e aprendemos a ser irmãos.

Mais um historinha: Um semeador saiu para semear. Uma parte da semente caiu na estrada e os pássaros a comeram. Parte da semente caiu entre as pedras e morreu.  Outra caiu entre os espinhos  e a plantinha foi sufocada. Enfim uma parte da semente caiu no terreno bom e produziu muito fruto (Mt. 13, 1-9) .
O semeador é Jesus que nos ensina, através da Palavra e o da Igreja, as verdades de Deus Pai.

Quando nos procuramos viver os seus ensinamentos e os praticamos, somos como um "terreno fértil" que recebe  a semente e produz muito  fruto.

Quando nos desconhecemos a Palavra de Deus e vivemos desunidos, brigando e praticando o mal, estão "sufocando e matando" a amizade com Deus.

Vamos conhecer melhor as parábolas. Vamos tentar viver os ensinamentos de Jesus: descobriremos, então, um caminho de felicidade e paz.

 

25º Encontro Os milagres de Jesus

No livro dos Atos dos Apóstolos se diz a respeito de Jesus: "Ele andou por toda parte, fazendo o Bem e curando todos que estavam dominados pelo demônio, porque Deus estava com ele. E nós somos testemunhas de tudo o que Jesus fez na terra dos judeus" (lo. 38-39).
O mesmo Jesus falou de si mesmo: "Eu vim para que todos tenham vila em abundância".  Jesus é, portanto, o Deus presente entre nós. Ele veio para nos dar a Vida de Deus e para defender a vida, contra qualquer perigo ou ameaça. 

Foi por isso que, toda vez que Jesus encontrava alguém que sofria, sempre tomava a iniciativa de curá-lo e socorre-lo.  Muitas vezes isso aconteceu através de milagres, isto é, através do poder de Deus que liberta e devolve a vida aos entristecidos

Certa vez veio Jairo procurar Jesus. Vendo-o se ajoelhou aos seus pés e cai insistência: "Minha filhinha está morrendo. Vem e impõe ela as mãos para que sare e viva". Quando ainda Jairo falava, alguém chegou e falou: "Tua filha morreu".Mas Jesus ouviu e disse: "Não temas; crê somente".
Quando Jesus chegou a casa de Jairo e viu o grande desespero falou: "A criança não morreu; está dormindo". Mas muitos não acreditaram nas palavras de Jesus.

Então Jesus entrou e chegando perto da menina falou: Levanta-te. No mesmo instante a menina se levantou e andava. Ela tinha 12 anos. (Evangelho de Marco 5, 22-24; 35-43).

Por onde Jesus passou, a Vida voltou a triunfar. Quem confia nele  não fica desamparado.  Jesus é o Deus que tem compaixão de nós e sempre está pronto a nos ajudar. Vamos conhecer mais um milagre que demonstra o amor tão grande de Jesus: Evangelho de Lucas 7, 11 - 17.
Outra vez Jesus estava na cidade de Cafarnaum. Muita gente estava ao redor dele e fora da casa onde se hospedava, que era impossível se aproximar.
Então quatro homens trouxeram um paralítico numa rede. Não conseguindo chegar perto de Jesus, decidiram entrar pelo telhado. Desceram o doente com cordas. Quando Jesus o viu falou: "Meu filho, teus pecados te são perdoados". Mas uns presentes ficaram escandalizados
porque diziam: "Somente Deus pode perdoar os pecados!".
Que todos tenham vida. Então Jesus falou-lhes: "Para que vejais e compreendais que Deus deu ao Filho do Homem o poder de perdoar os  pecados na terra, escutai o que direi". Voltou-se para
o paralítico e disse-lhe: "Levanta-te, toma tua rede e volta para casa". O doente levantou-se e foi para casa.
Todos ficaram admirados e glorificavam a Deus dizendo: "Nunca vimos coisa igual" (Mc. 2, I - 12).
Se procuramos viver unidos à Igreja; se procuramos por em prática os ensinamentos de Jesus, nós conseguiremos viver felizes e vencer todo mal e toda dificuldade.
Precisamos, porém, ter fé em Jesus: caso contrário nada de bom acontece em nossa vida. Vejam o que se deu com Simão Pedro.

Apos um longo dia de ensinamentos ao povo, Jesus falou a Simão: "Rema até o centro do lago; lançai vossas redes para pescar". Simão respondeu: "Mestre, trabalhamos a noite inteira e nada pescamos. Porém vou igualmente obedecer ao teu convite".  Foram até o meio do lago, jogaram as redes e os apóstolos apanha ram uma grande quantidade de peixes que as redes quase rasgaram. Pedro, vendo isso, se ajoelhou diante de Jesus e  falou: "Senhor, afasta-te de mim! Sou um homem pecador". Mas Jesus respondeu: "Vem comigo. De hoje em diante você será pescador de homens" (Lc. 5, l - ll).

É assim sempre: onde Jesus passa volta a felicidade e a vida do homem muda. Cabe a nós continuar, agora, esta grande obra de Jesus: fazer o bem, perdoar sempre, ajudar-nos em todos os momentos, nos respeitar e amar, como Jesus mostrou.
Quem confia em Jesus poderá fazer tudo aquilo que ele fez!

 

26º Encontro Os amigos de Jesus

Um dia Jesus fez uma visita à casa de uns amigos. Nessa casa moravam duas irmãs: Marta e Maria. Logo que Jesus entrou. Maria sentou-se aos seus pés e ali permaneceu escutando as palavras de Jesus.
Marta, por outro lado, estava ocupada com muito serviço. Parando, por um momento, disse a Jesus: "Senhor, a ti não importa que minha irmã me deixe assim sozinha a fazer o serviço? Diga-lhe que me ajude".
Jesus respondeu: "Marta, Marta, você se agita muito. No entanto, pouca coisa é necessária; na verdade, uma só. Maria, com efeito, escolheu a melhor parte, que não lhe será tirada" (Lucas 10, 38 - 42).
Jesus. O Filho de Deus que viveu entre nós, cativava com facilidade as pessoas e fazia amigos onde passava.
Aos seus apóstolos Ele mesmo falou: "Não mais vos chamo de servos... mas eu vos chamo de amigos" (João 15,15).  Jesus é o grande amigo que sempre está pronto a ajudar, compreender e perdoar.

Se queremos verdadeiramente ser cristãos, devemos sempre viver como amigos: amigos dos peito, amigos que gostam de brincar, trabalhar, sofrer e se alegrar juntos. Vejam ainda como Jesus nos convida a viver a amizade: "Ninguém tem maior amor do que aquele que dá a vida por seus amigos" (João 15,13). Amizade sempre existirá.

Jesus foi à cidade de Jericó. Aí morava Zaqueu, homem importante e muito rico.  Zaqueu era baixinho. Ele queria ver Jesus. Portanto subiu numa figueira, perto do lugar onde Jesus devia passar.  Quando Jesus chegou perto dele, olhou para cima e disse: "Zaqueu, desce depressa!  Hoje vou hospedar-me na tua casal'.

Zaqueu, cheio de alegria, desceu da árvore e foi com Jesus até sua residência.

Ao chegar lá, Zaqueu confessou o seu pecado: "Senhor, até hoje roubei dos outros.  Mas hoje mesmo darei aos pobres a metade, dos meus bens".

Jesus, que conhecia o coração sincero do seu amigo, falou-lhe: "Hoje a salvação de Deus entrou nesta casa.  Porque eu vim para buscar e salvar o que estava perdido' (Evangelho de Lucas19,1-10).

Ser amigos.de Jesus é viver uma vida nova. A amizade sempre traz muita felicidade ao coração do homem.

Um antigo provérbio diz: "Quem encontra um amigo, encontra um tesouro". Precisamos ter muitos amigos! Precisamos ser amigos de todos, para realmente viver o Evangelho de Jesus. Eu vos digo "Amai-vos uns aos outros"

Lázaro era amigo de Jesus.  Lázaro estava doente e, logo mais, faleceu. Ao saber disso Jesus falou: "Vou até lá. Quando Jesus chegou na cidade onde morava Lázaro, se encontrou com as irmãs do falecido. Uma delas falou: "Senhor, se estivesses aqui, meu irmão não teria morrido. E Jesus disse: "Teu irmão ressuscitará".

"Eu sou a ressurreição e a vida. Quem crê em mim, ainda que morra, viverá".

Chegando perto do tumulo de Lázaro, Jesus chorou! Todos os presentes falaram: "Vede como ele o amavam".

Em seguida mandou que se tirasse a pedra do sepulcro. Levantando os olhos ao céu, Jesus fez uma prece no Pai e logo falou: "Lázaro, vem para fora!. Lázaro saiu e voltou junto aos seus (Evangelho de João 11,1-44).

Jesus, nosso grande Amigo: ensina-nos a viver sempre a amizade e a querer bem a todos. Amém.

 

27º Encontro Paixão, morte e ressurreição de Jesus

Durante os três anos de sua pregação, Jesus sempre procurou amar e fazer o bem. Muitas pessoas foram curadas; outras perdoadas de seus pecados e, outras ainda, amparadas e socorridas. Todas elas receberam de volta a vida que tinham perdido.

Os pobres, os pecadores, as crianças e os doentes gostavam muito de Jesus, porque Ele era o grande amigo que sabia compreender e ajudar.

Mas, no meio do povo, havia também os que não gostavam de Jesus. No Evangelho são chamados de ''fariseus, escribas, doutores da lei", mas na realidade eram os que possuíam muitos bens, os que mandavam na política, os que tinham muita terra e muito gado.

Os ricos e os poderosos não gostavam de Jesus porque se sentiam ameaçados pela sua pregação.

Jesus pedia justiça, fraternidade, perdão e paz. Os ricos e poderosos viviam e pregavam o roubo, a exploração, a corrupção e a mentira.

Por isso Jesus foi preso e condenado a morte. Ele morreu porque era um "homem de bem". Até um dos seus companheiros, Judas Iscariotes, se deixou comprar pelo dinheiro e traiu ao Mestre.

Vamos ler no Evangelho de João (18,1-11) como aconteceu a prisão de Jesus.

Após ser preso, os fariseus e seus aliados montaram um processo falso contra Jesus.  Não havia acusações contra Ele: por isso inventaram mentiras (João 18, 30). Os poderosos queriam, de qualquer jeito, se livrar de Jesus.

Durante o julgamento, Pilatos, o governador romano, fez uma proposta aos judeus: libertar Jesus ou Barrabás.  Barrabás era realmente um assassino. Mas os fariseus se juntaram e gritaram em alta voz: "Liberta Barrabás. Crucifica Jesus". E assim aconteceu.

Os soldados colocaram uma coroa de espinhos na cabeça de Jesus e puseram nos seus ombros uma cruz. E, carregando a cruz, Jesus subiu o Calvário onde foi crucificado no meio de dois ladrões. Vamos ler nos Evangelhos como aconteceu este grande sofrimento: a) Mateus 27,32-44; b) Lucas 23,39-43; c) Marcos 15,33-41.

Morrendo na Cruz Jesus perdoa a todos.  Jesus morreu para que os homens aprendessem a se respeitar e se amar sempre!

José de Arimatéia, uns dos amigos de Jesus, foi buscar o corpo para sepultá-lo. Os ricos e poderosos pensavam que tudo estava, agora, acabado. Mas era uma grande ilusão!

Na madrugada de domingo, Maria Madalena foi ao tumulo onde tinha sido enterrado Jesus e viu que a porta estava removida. Correu a chamar os Apóstolos e, com grande surpresa, viram que Jesus não estava mais no sepulcro.

Jesus tinha ressuscitado. Ele não estava mais no túmulo, mas vivo no meio de seus amigos.

Após sua RessurreiçãoJesus apareceu a muitas pessoas. Em primeiro lugar aos seus amigos, os discípulos. Em seguida a muitas outras pessoas.

Dois discípulos estavam caminhando em direção de Emaús, quando a um certo ponto um novo companheiro se uniu a eles. Os três começaram a falar sobre a marte de Jesus e sua Ressurreição. Chegando perto da cidade, os dois discípulos convidaram o companheiro a entrar numa casa para jantar juntos. No meio da ceia, o "Companheiro de caminhada" pegou o pão, o abençoou e o deu aos presentes. Naquele momento o reconheceram: era Jesus que estava com eles. Mas Jesus desapareceu (Lc. 24,13-35)

Vamos ler ainda outras passagens dos Evangelhos que narram as aparições de Jesus após sua Ressurreição: a) João 21,4-14; b) João 20,19-29.

Nós cristãos devemos continuar a missão de Jesus.

Antes de voltar ao Pai. Jesus falou: "Ide por todo o mundo e pregai o Evangelho" (Marcos 16,15)Portanto nós também devemos pregar e viver a justiça, a fraternidade, o amor e a paz.

Nós somos verdadeiramente cristãos, quando amamos e vivemos como Jesus amou e viveu!

 

28º Encontro Nasce a Igreja

Jesus, depois de sua Ressurreição, apareceu várias vezes aos seus discípulos, tomou umas refeições com eles e os ensinou. Antes de voltar para casa do Pai, Ele deu-lhes uma missão: “lde por todo o mundo e pregai o Evangelho a toda criatura. Quem crer e for batizado, será salvo; mas quem não crer, será condenado” (Mc. 16,15-16). E acrescentou: “E eis que estou convosco todos os dias até o fim do mundo" (Mt. 28, 20).

Os discípulos se espalharam pelo mundo afora e, pouco a pouco, construíram comunidades cristãs, em cada cidade onde pregavam. Nascia, assim, a Igreja católica e apostólica, a Igreja de Jesus Cristo!

As primeiras comunidades cristãs viviam no amor e na fraternidade. O evangelista Lucas no livro dos Atos Apóstolos nos relata a maneira de viver dos primeiros cristãos: “Todos os que tinham fé viviam unidos. Eles colocavam seus bens em comum e dividiam os bens conforme as necessidades dos mais pobres. Todos os dias se reuniam para celebrar a Eucaristia, ouvir as explicações dos Apóstolos e orar. Constantemente louvavam a Deus e o Senhor os abençoava enviando mais homens e mulheres para as comunidades”(Atos dos Apóstolos 2, 42 - 47).

A vida dos primeiros cristãos era realmente admirável. Era uma comunidade que vivia com sinceridade os ensinamentos de Jesus. Vamos ler outro trecho dos Atos dos Apóstolos (4,32–37).

No meio do grande número de "bons cristãos" havia, porém, já uns que não se comportavam honestamente. Foi o caso de Ananias e Safira. Este casal foi castigado por Deus com a morte, porque enganaram a comunidade e se apropriaram ilicitamente dos bens destinados a todos. Confira no livro dos Atos: (5, 1 - 11).

Deus conhece o nosso coração. Não adianta mentir. Se desejamos, ser cristãos, procuremos agir e trabalhar com sinceridade. Desta maneira Deus, que tudo sabe e tudo pode, nos abençoa e protege.
Mas a vida da primeira comunidade-igreja foi muito difícil. Desde o começo os cristãos foram perseguidos, insultados e, muitas vezes, mortos. Todos os cristãos que morreram para defender sua fé são chamados de “mártires”. Os mártires, ontem e hoje, são testemunhas fiéis de Jesus Cristo, que não tiverem medo de derramar seu sangue pela causa do Evangelho e o amor aos irmãos. O primeiro mártir na história da Igreja foi São Estevão.
Estevão, cheio do Espírito Santo, pregava a todos os seus concidadãos a Boa Nova, com sabedoria e coragem. As palavras do jovem Estevão empolgavam os ouvintes. Mas no meio do povo, havia grupos de judeus que não aceitavam este tipo de pregação.
Certo dia, após um discurso muito bonito, Estevão foi preso, levado fora da cidade e apedrejado. Sua morte não foi em vão. Suas roupas foram colocadas aos pés de Saulo que, mais tarde, convertido, se tornou o grande Apóstolo dos pagãos (Atos 6, 8 - 60).
Muitos outros discípulos de Jesus foram perseguidos. Os mesmos  apóstolos Pedro e João foram processados e proibidos de falar o nome de Jesus. Mas os dois responderam:
“Não podemos deixar de falar do que vimos e ouvimos"
(At. 4, 20). Desta maneira o Evangelho se espalhava: muitos doentes eram curados e comunidades nasciam em todo lugar.
Nós também devemos continuar o trabalho dos primeiros “operários do Senhor”. O batismo nos faz cristãos, membros qualificados da Igreja e, como tais, devemos trabalhar com entusiasmo pelo bem e pela unidade de nossas comunidades.
Todos podemos e devemos fazer a nossa parte para ajudar a Igreja. Cada um com seus dons e carismas, somos chamados a continuar a obra do divino mestre.
O próprio Jesus falou:
"Tudo aquilo que fizerdes a um destes irmãos pequenos, é a mim que o fazeis”. Quando trabalhamos pelo bem de nossa comunidade e dos irmãos, estamos amando a Jesus e pondo em prática seus ensinamentos.

 

29º Encontro Maria, mãe de Jesus e nossa mãe

Um dos grandes meios que nos ajudam como cristãos, a crescer como amigos de Jesus, é sermos grandes amigos de sua mãe, Maria de Nazaré. Quando os tempos chegaram à plenitude, apareceu no mundo aquela que seria a mãe do Libertador - Maria. Para uma moça simples, piedosa, humilde e pobre que vivia na cidade de Nazaré, na Galiléia

certo dia, Maria recebeu uma visita muito especial. Foi o anjo Gabriel que lhe disse:"Ave cheia de graça, o senhor é contigo". Ela perturbou-se com estas palavras e pôs-se a pensar no que significariam aquelas palavras do anjo.

O anjo disse-lhe: "Não temas, Maria, pois encontras-te graça diante de Deus. Eis que conceberás e darás à luz um filho, e lhe porás o nome de Jesus.

Maria perguntou ao anjo. "Como se fará isso, pois não conheço homem?" Respondeu-lhe o anjo: "O espírito santo descerá sobre ti e a força do altíssimo te envolverá com sua sombra."

Então Maria disse: "Eis aqui a serva do senhor, faça-se em mim segundo a tua palavra." (Lc. 1,26-38)

Maria é a mais feliz de todas as mulheres do mundo.  Ela é a mãe de Jesus. Foi ela quem cuidou dele, alimentou-o, ensinou-o a ler, a rezar e a fazer somente o bem. Maria  acompanhava Jesus em suas pregações. Estava junto à cruz e acompanhou sua morte e ressurreição. E, quando os apóstolos receberam a força e a luz especial de Jesus, no dia de pentecostes, ela estava com eles, rezando, ensinando e apoiando.

Maria é a mãe da Igreja - comunidade dos cristão que tem por ela um carinho muito especial. O povo inventou centenas de nomes para celebrar a mãe de Deus, a mãe da Igreja e nossa  mãe. Eis alguns desses nomes: Nossa Senhora Aparecida, N. Sra. das Dores, N. Sra. da Conceição, N. Sra. do Rosário, N. Sra. do Perpétuo Socorro, N. Sra. de Guadalupe, padroeira da nossa paróquia e muitos outros nomes.

Há nomes que estão ligados aos lugares onde ela viveu ou apareceu, tais como: N. Sra. de Belém, N. Sra. de Nazaré, N. Sra. de Fátima, N. Sra. de Lourdes, etc... Entretanto, todos esses títulos de glória e de honra são para a mesma pessoa: a mãe de Jesus e nossa mãe.
A  mãe de Jesus é uma mulher maravilhosa, cheia de amor, carinho, simplicidade e humildade. Devemos procurar imitá-la em suas virtudes e sermos muito agradecidos a ela por ter dito "Sim" a Deus e nos dar Jesus.

Quem honra e valoriza a mãe de Jesus, está honrando e valorizando o próprio Jesus. Ele fica muito contente com isso. E a maior alegria de Maria é nos ver amar e viver conforme Jesus viveu aqui na terra.

"Bendita sois vós entre as mulheres, e bendito é o fruto do vosso ventre."(Lc. 1, 24)

ORAÇÃO A MARIA, MÃE DA IGREJA

Ó Mãe!  Faça com que a Igreja seja para todos sacramento de salvação e sinal de unidade de todos os homens, irmãos e irmãs  de adoção de seu filho Jesus, e filhos do mesmo Pai. Ó Mãe, faça com que a Igreja, a exemplo de Cristo, servindo constantemente as pessoas, seja a defensora de todos e, de modo particular, dos pobres e necessitados, dos que são socialmente marginalizados. Faça com que a Igreja do Brasil esteja sempre a serviço da justiça entre as pessoas e contribua, ao mesmo tempo, para o bem comum de todos e para a paz social.

Ó Virgem Aparecida, pela sua mesma presença não deixe de manifestar, na terra, que o amor é mais forte que a morte, mais poderoso que o pecado.

Não deixe de mostrar-nos Deus, que amou tanto o mundo a ponto de entregar o seu filho Unigênito para que nenhum de nós venha a perecer, mas tenha a vida eterna.Amém.

 

30º Encontro Pentecostes: Jesus envia o espírito santo

Jesus recomendou a seus amigos, os discípulos, para ficarem em Jerusalém até o cumprimento de uma grande promessa sua. Eles estavam com muito medo dos judeus, pois eles haviam matado Jesus. Recolheram-se em uma grande casa, fecharam as portas, e ali ficaram em oração, junto com Maria, mãe de Jesus.

Durante vários dias, relembraram tudo o que Jesus fez e ensinou. Devagarzinho a mente deles foi compreendendo e o coração se enchendo de muito amor e coragem.

E num determinado momento, Jesus, sabendo que o coração e a mente dos discípulos estavam preparados, enviou sobre eles, da parte dele e do pai, o espírito santo. Vejam como foi esse acontecimento: "No dia de Pentecostes, todos os discípulos estavam reunidos no mesmo lugar, junto com Maria, mãe de Jesus.

De repente, ouviu-se um ruído que vinha do céu, semelhante ao de um vento muito forte.  Esse ruído encheu a sala, onde eles estavam reunidos.

Apareceram, então, labaredas, que pareciam como línguas de fogo, que se dividiram e pousaram sobre a cabeça de cada um deles".  (At. 2,1-3)

Eles ficaram tão esclarecidos e tão cheios de coragem e amor e tão entusiasmados para saírem pelo mundo e levar a mensagem de Jesus, como se em suas línguas tivessem fogo, e lhes parecia que um imenso e impetuoso vento os empurrava.

E abrindo as portas e janelas, começaram a falar de Jesus ressuscitado. Todos ficaram admirados do que ouviam. Muitos desejavam conhecer este Jesus de quem os Apóstolos falavam e desejavam viver como Jesus que viveu enquanto estava conosco, na terra.

O fogo significa o amor de Deus. As línguas de fogo, querem mostrar que os apóstolos receberam a linguagem do amor que dá coragem e força. Quando a gente fala a linguagem do amor, isso faz maravilhas. A linguagem do ódio divide, a linguagem do amor une, e todos entendem. Podemos falar a mesma língua sem que por isso a gente se entenda, se compreenda.

O vento é sinal de vida. Limpa, purifica e nos empurra para o amor de Deus, nos enche de paz, alegria amor e bondade. Ele é invisível, mas é forte, impetuoso.

Quando a Bíblia fala do espírito, fala da vida de Deus, do sopro de vida que Deus colocou em cada pessoa, desde a sua criação.

Festa de Pentecostes - Vinda do Espírito Santo, é celebrada 50 dias depois do domingo da Páscoa. Nesse ano será celebrada no dia  de oração ao espírito santo: Vinde, Espírito Santo, enchei os corações dos vossos fiéis com a luz do vosso amor e acendei neles o fogo do vosso amor.

Enviai, senhor, o vosso espírito e tudo será criado. E renovareis a face da terra."

Oremos: Ó Deus que instruíste os corações dos vossos fiéis com a luz do espírito santo, fazei que apreciemos corretamente todas as coisas, segundo o mesmo espírito e gozemos sempre de sua consolação. Por Jesus Cristo Nosso Senhor. Amém.

"Vem, espírito santo, vem. Vem iluminar."

 

31º Encontro Paulo: Apóstolo e animador de comunidades

Logo depois que os cristãos (seguidores de Jesus Cristo) foram se unindo e formando pequenas comunidades, aconteceram problemas muito sérios. Os inimigos de Jesus não queriam  que ele fosse lembrado, nem que tivesse seguidores. Alguns achavam que os seguidores de Jesus queriam fazer uma revolução para vingar sua morte ou derrubar o governo. Assim, os cristãos passaram a ser perseguidos. Era proibido ser cristão e havia perigo de vida. Conferir em Atos 9,1-31.

Dentre os inimigos de Jesus havia um homem muito inteligente e culto, que nutria um ódio muito forte contra os cristãos. Seu nome era, na língua dos judeus, Saulo que para nós quer dizer Paulo... Quando ele soube que os cristãos estavam se fortalecendo e espalhando-se por toda parte e que haviam criado uma comunidade em Damasco, bem longe de Jerusalém,ele tomou uma resolução. Foi procurar o chefe deles e lhe disse: Dê-me permissão: Irei a Damasco e acabarei com os cristãos de lá. O chefe ficou contente e deu a licença. Paulo arranjou soldados e partiu. Durante a viagem, já perto de Damasco, de repente o cercou, uma luz resplandecente vinda do céu. Caindo por terra ouviu uma voz que lhe dizia: Saulo, Saulo porque me persegues? Respondeu ele: Quem és tu, senhor? E a resposta foi: Eu sou Jesus a quem tu persegues. Então, trêmulo e espantado Paulo perguntou: senhor, que queres que eu faça? O Senhor respondeu:  Levanta-te, porém, e entra na cidade e ser-te-á dito o que deves fazer.

Os homens que iam com ele ficaram com muito medo, pois ouviram a voz, mas não viram ninguém ali perto. Paulo ergueu-se então da terra, mas, com os olhos abertos e nada via.  Seus companheiros o conduziram até Damasco. E ficou três dias sem enxergar e em jejum.

Em Damasco um homem chamado Ananias fez Paulo enxergar e depois falou-lhe de Jesus de Nazaré. Paulo então pediu para ficar uns dias no deserto, orando e pensando.  Quando voltou com muita sabedoria, falava ao povo sobre Jesus. E todos ficaram admirados e diziam: o que aconteceu? Ele vinha prender os cristãos e agora é o mais entusiasmado deles? Paulo, então, passou a ser perseguido pelos que antes eram seus amigos e teve que fugir,mas sua vida mudou completamente. Tornou-se assim, o maior apostolo que Jesus teve. Por causa dele e de seus escritos, as primeiras comunidades cristãs se firmaram em todas as partes.

Depois que Paulo se converteu, isto é, entregou sua vida, sua inteligência, seu coração e todo os seus dons e seu tempo, não teve mais sossego.

Queria fazer todo mundo conhecer Jesus, ser de Jesus e viver como Jesus ensinou.

Paulo ia de cidade em cidade pregando sobre Jesus Cristo. Desejava passar por todos os lugares do mundo. E onde chegava ficava alguns dias ou até meses. Procurava as pessoas, fazia reuniões, revelava quem era Jesus. Quando conseguia criar um grupo, uma comunidade, dava as orientações e ia para outra cidade.

Em alguns lugares era muito mal recebido pelos inimigos dos cristãos. Um dia escapou da morte, por que os cristãos o colocaram num cesto e o desceram pela muralha. Outra vez foi preso e levado para fora da cidade e apedrejado. Quase morreu. Noutra ocasião ficou numa cadeia por vários dias. Libertou-se porque houve um terremoto e a cadeia desmoronou.

As viagens eram difíceis, incomodas e perigosas. Mas, tinha um ideal: levar Jesus e sua mensagem de libertação a todo mundo.

São Paulo não se esquecia dos cristãos que ficavam nas cidades por onde passava.  Orava muito por eles. Escrevia cartas cheias de ensinamentos e de muita amizade.

Nós, cristãos, conservamos 14 (catorze) cartas de são Paulo que servem para leitura, meditação e oração. Estas cartas nós chamamos também de Epistolas.

Nós, cristãos, precisamos ser como São Paulo. Levar a verdade de Jesus a todos.

 

32º Encontro A Igreja católica, hoje

A Igreja católica, apostólica, romana é uma comunidade de pessoas convocadas por Deus. Ela tem uma missão a cumprir: "Anunciar a boa nova da libertação trazida por Jesus Cristo."

Pode-se comparar a Igreja a uma enorme corrente, formada por milhões de elos. Nesta corrente, cada um tem o seu lugar e todos caminham unidos para construírem um mundo novo, cada vez mais de acordo com o plano de amor do Pai. Ficar sozinho  é sair desta comunidade-Igreja, é desprender-se da corrente.

A Igreja não se reduz ao templo ou ao papa, aos bispos e padres. A Igreja somos todos nós. O próprio Jesus disse aos seus amigos: “Ide, portanto, e fazei que todas as nações se tornem discípulos, batizando-as em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo e ensinando-as a observar tudo quanto vos ordenei. E eis que eu estou convosco todos os dias até a consumação dos tempos”. (Mt. 28,16-20)

A missão que Jesus deixou aos apóstolos continua na Igreja. Quem a coordena hoje, no lugar do apóstolo Pedro, é o Papa, em comunhão com os sucessores dos apóstolos, os bispos.

Mas, todos nós cristãos, animados pelo Espírito Santo, temos a missão de colaborar na formação das comunidades, para tornar o mundo mais cristão. A Igreja é esta união de todas as comunidades cristãs, pastoreadas pelo sucessor de Pedro.

Os bispos são os sucessores dos apóstolos. Os padres e os diáconos colaboram com o bispo neste serviço de animação da comunidade cristã. Em cada diocese, o bispo torna presente o serviço de Cristo. É sinal da unidade desta Igreja; é co-responsável com os demais bispos, sob a autoridade do Papa, pela Igreja Universal.

A missão do bispo é: 1) evangelizar e manter viva a fé; 2) vigiar pela fidelidade à doutrina dos apóstolos, aos ensinamentos da Igreja Universal e, por fim, às necessidades e à tradição do povo de sua Igreja. O bispo é o coordenador e primeiro responsável dos vários serviços de pastoral, na Diocese.
Ao padre cabe a tarefa de: 1) anunciar a Palavra de Deus; 2) celebrar a Eucaristia e os  sacramentos; 3) ser sinal da unidade de todos os fiéis e da unidade da comunidade com seu bispo e Diocese. Ele anima, coordena e suscita os diversos ministérios na comunidade.

O Diácono é animador de comunidades ou responsável de pastorais específicas, cabendo-lhe a tarefa de administrar os sacramentos do batismo e matrimônio. O diaconato é uma disponibilidade para servir, de forma permanente, a comunidade.

A organização da Igreja está marcada pela participação e co-responsabilidade de todos. Um papel sempre mais importante é desempenhado hoje pelos leigos: homens e mulheres de todas as condições sociais que se colocam à serviço da Igreja com seu ministério específico.

Os ministérios mais comuns em nossas comunidades são:

a) catequistas: procuram ensinar as verdades bíblicas e doutrinárias às crianças, jovens e adultos em preparação aos sacramentos da eucaristia, crisma ou batismo;

b) ministros da palavra e eucaristia: animam a celebração da palavra nas comunidades que não dispõem de sacerdotes e distribuem a eucaristia aos que solicitarem;

c) ministros das exéquias: levam o conforto cristão na hora do falecimento de um ente querido;

d) ministros extraordinários do batismo e matrimônio: celebram estes sacramentos nas comunidades onde não há a presença do padre ou diácono;

e) animadores do dízimo: conscientizam a comunidade a respeito da necessidade de colaborar para a manutenção de todas as atividades pastorais e pela assistência aos necessitados;
f) ministros da saúde: visitam os hospitais, levando os confortos cristãos aos enfermos e a seus familiares;

g) e muitos mais: animadores da música; ministros da caridade e solidariedade; administração da comunidade; ministros para os encarcerados, etc.

Todos juntos, consagrados e leigos, somos evangelizadores e construtores da Igreja.

A Igreja católica tem sua sede na cidade de Roma na Itália. O papa é o Pastor da igreja universal e em Goiânia a arquidiocese é regida pelo nosso arcebispo.