3 TRUQUES BÁSICOS PARA ACORDAR AS CRIANÇAS

Qual o catequista que nunca sentiu a sua audiência a dormir? Há pequenos truques para cativar a atenção, ou para acordar algum distraído, sempre com duplo efeito. Além de resgatarem a atenção daqueles que nos ouvem, ajudam também a (re)definir a direção da conversa. Os truques não são mágicos. Mas apesar disso, aqui estão eles.

1. Chama-me pelo nome.

É o que de mais pessoal temos na vida. O nome é identidade, e quando alguém é chamado pelo seu nome, a sua reação é imediata. O cérebro dispara um “Quem? Eu?” e isso é o suficiente para agarrar por milisegundos a atenção de alguém. Genial, Sherlock. E agora?

Agora vem a parte complicada: focar a atenção no tema apresentado. E aqui estão alguns exemplos.

Despertar a atenção, em vez de reclamar através do nome. “Por exemplo, aqui o Rui sabe muito bem aquilo que eu estou a dizer, não sabes?”. É introduzi-los no contexto. “Reparem, eu sei que o Rui era incapaz de o fazer, mas... e outra criança que nunca tenha tido uns pais tão carinhosos?”.

2. Pergunta distraída.

Muitas vezes utiliza-se a “pergunta ao mais distraído” como método de intimidação. O que não poderia estar mais errado, embora compreenda a tentação em usar este método.

Quando falo em “pergunta distraída”, refiro-me a algo ligeiramente diferente. Trata-se de uma pergunta distraída para alguém distraído. Ou seja, a pergunta leva inocência e leveza para ajudar a outra pessoa a entrar na conversa. Como o fazer? Através do exercício da retórica. Repara.

Pergunta retórica. “Bruno, sabes-me dizer porquê?”. Pausa breve. Silêncio do Bruno. “Exacto, Bruno. Nem sempre a resposta é óbvia, deixa-me tentar explicar-te, por favor”.

Pergunta guia-retórica. “Ó Bruno, tens alguma idéia da importância disto?”. Breve pausa. Silêncio do Bruno. “Como seria um mundo sem regras?”. Confuso. “Achas que posso confiar nos apetites das pessoas para dizer o que é bom e o que é mau?”.

3. Silêncio falante.

O silêncio também pode falar. Aliás, o silêncio tem que falar. E precisa do seu lugar de destaque em todos os encontros de catequese. Para o Bruno, ainda há pouco, o silêncio foi a melhor resposta. Mas o silêncio, da parte do catequista, surge com outro propósito e manifesta-se de duas formas essenciais.

Pelo contraste. Quando existe muito ruído de fundo, criado pelo próprio discurso do catequista, uma paragem para respirar é a melhor técnica disponível. Encher o ambiente com silêncio, na medida certa, traz uma nova dinâmica às palavras. Resultado: mais e melhores ouvintes.

Pela expectativa. Pode terminar com uma palavra entoada, com uma pergunta esquisita, ou até terminar a meio de alguma frase fora de contexto. O silêncio expectante levanta a cabeça de pelo menos 80% dos distraídos. Usualmente acompanhado da expressão facial equivalente a “Uh? Ele disse o quê? Ouvi mal, de certeza...”.

Quanto aos outros 20%, em caso de persistência de sintomas, é favor usar as técnicas acima mencionadas.

Os truques, apesar de básicos, são muitas vezes esquecidos. Por mais activo que o catequista seja, existe sempre alguém a precisar de ser acordado. Quer por desinteresse pessoal, quer por incapacidade natural de escutar por muito tempo. E o ‘catequista profissional’ não deixa as ferramentas de expressão por mãos alheias.

Procatequista