Os  corpos, a  providência  divina  e  os  anjos

Art. 8 - SE TODA CRIATURA CORPORAL É GOVERNADA PELA PROVIDÊNCIA DIVINA MEDIANTE A CRIATURA ANGÉLICA.

Respondo dizendo que a causa da produção do ser das coisas é a divina bondade, conforme dizem são Dionísio Areopagita e são Agostinho. Quis Deus, de fato, comunicar a outros a perfeição da sua bondade, na medida em que isto fosse possível à criatura.

Ora, a divina bondade possui uma dupla perfeição. Uma segundo si mesma, contendo em si supereminentemente toda perfeição; outra na medida em que influi nas coisas, segundo a qual é causa das coisas. Congruía, portanto, à divina bondade que ambas comunicasse à criatura, isto é, que pela divina bondade a coisa criada não somente fosse e fosse boa, mas que também doasse a outros ser e bondade. É assim que o Sol, pela difusão de seus raios, não somente ilumina os corpos, mas também torna-os iluminantes, observada a ordem segundo a qual o que é mais conforme ao Sol mais recebe de sua luz, não a recebendo apenas suficientemente para si, mas também para com ela influir em outros.

Na ordem do universo, por conseguinte, por influência da bondade divina as criaturas superiores não somente têm que sejam boas em si mesmas, mas também que sejam causa da bondade de outras, as quais por sua vez possuem o modo extremo de participação da divina bondade, dela participando somente para que sejam e não para que causem a outras. Vem daqui que o agente sempre seja mais honorável do que o paciente, conforme diz S. Agostinho e também o Filósofo no III De Anima.

Ora, entre as criaturas superiores são maximamente próximas a Deus as criaturas racionais as quais, à semelhança de Deus, são, vivem e inteligem. A estas não somente a divina bondade lhes confere que influam sobre as outras, mas também que tenham o mesmo modo de influir pelo qual Deus influi, isto é, pela vontade e não pela necessidade da natureza. De onde que Deus governa todas as criaturas inferiores pelas criaturas espirituais e pelas criaturas corporais mais dignas. Pelas criaturas corporais, porém, Deus provê de modo que não as torna providentes, mas somente agentes, enquanto que pelas espirituais de modo que as torna também providentes.

Mas também nas criaturas racionais [observa-se] uma ordem.

De fato, entre elas a alma humana possui o último grau, e a sua luz é obnubilada em relação à luz que há nos anjos. Possuindo um conhecimento particular, conforme diz são Dionísio Areopagita, sua providência por este motivo se limita a poucas coisas, às coisas humanas e às coisas que podem vir ao uso da vida humana.

A providência dos anjos, porém, é universal e se estende sobre todas as criaturas corporais. Tanto os santos como os filósofos disseram, por isso, que todos os seres corporais são regidos ou governados pela divina providência mediante os anjos. Nós, todavia, diferimos dos filósofos por alguns deles terem colocado que os seres corporais não são apenas administrados pela providência dos anjos, mas que também teriam sido por ele criados, o que é alheio à fé.

De onde que importa colocar, segundo a sentença dos santos, que tais criaturas corporais são administradas por meio dos anjos apenas por modo de movimento, isto é, segundo que eles movam os corpos superiores, pelo movimento dos quais são causados os movimentos dos corpos inferiores.

São Tomás de Aquino  -  fonte: Intratext