MEU AMIGO JESUS
Num lugarejo distante havia um homem conhecido somente pelo nome de Zé.

Todos os dias ele entrava na igreja, tirava o chapéu, dirigia-se ao altar, permanecia alguns minutos e retirava-se.

O sacristão ficava a se perguntar: o que faria aquele homem diante da cruz?

Era sempre tão rápido... Entraria ele acreditando não encontrar ninguém e talvez roubar algo? 

Não, não podia ser, a igreja era simples, não tinha nada que pudesse ser roubado.

Intrigado porém, um dia resolveu falar com ele e perguntou:

"O que o senhor vem fazer todos os dias aqui?" - "Venho rezar" - respondeu ele.

"Tão rápido! O que o senhor diz diante da cruz? - retrucou o sacristão "Olha, eu não sei fazer aquelas orações longas " respondeu Zé"...então, eu só falo assim: Oi Jesus, é o Zé, vim te ver... Tudo de bom ta!

Agora já vou indo, tchau Jesus."

O sacristão ficou ainda mais admirado com a simplicidade daquele homem.

Um dia Zé estava em frente sua casa e um carro desgovernado subiu na calçada e o atropelou. 

Zé foi encaminhado imediatamente ao hospital e com várias fraturas e muitos ferimentos, teve que permanecer internado. Zé era uma pessoa só, não tinha família e portanto, não recebia visitas e, mesmo encontrando-se em estado deplorável, tinha sempre uma palavra ou um gesto que alegrava todos que entravam em seu quarto.

Mais uma vez, despertou a curiosidade de todo hospital:

Como poderia aquele homem solitário e todo machucado estar sempre tão alegre? E um médico lhe
perguntou como conseguia tal feito. Ele respondeu: "Eu recebo uma visita todos os dias uma visita que me deixa muito feliz".

O médico sabendo que ele nunca tinha recebido visitas, achou que talvez tivesse também com alucinações e insistiu. "Não pode ser Zé, você nunca recebeu visitas!

Só quem entra aqui são os médicos e o pessoal de enfermagem. Seria algum deles?"

"Não" - respondeu ele - "Todos os dias, Ele entra em meu quarto, aproxima-se de minha cama e diz: 

"- Oi Zé, é Jesus, vim te ver, tudo de bom, tchau Zé."