FRATERNIDADE  E  ÁGUA

A Campanha da Fraternidade de 2004 é sobre a água. O tema é: “FRATERNIDADE E ÁGUA” e o lema é: “ÁGUA, FONTE DE VIDA”. O objetivo geral da CF 2004 é: “conscientizar a sociedade que a água é fonte da vida, uma necessidade de todos os seres vivos e um direito da pessoa humana, e mobilizá-la para que este direito à água com qualidade seja efetivado para as gerações presentes e futuras”. Como objetivos específicos a CF 2004 propõe: “1º - conhecer a realidade hídrica do Brasil a partir da realidade local; 2º - desenvolver uma mística ecológica que resgate o valor da água nos seus fundamentos mais profundos; 3º - apoiar e valorizar as iniciativas já existentes no tocante ao cuidado com a água, preservação das águas, captação de água de chuva e recuperação de mananciais degradados; 4º - provocar e alimentar a solidariedade entre quem tem água e quem não tem; e 5º - defender a participação popular na elaboração de uma política hídrica, para que a água seja, de fato, de domínio público, e seja gerenciada pelo poder público com participação da sociedade civil e da comunidade local.”

A água é um bem de destinação universal. A primazia da vida se estabelece sobre todos os outros possíveis usos da água. Nenhum outro uso da água, nenhuma decisão de ordem política, de mercado ou de poder, pode se sobrepor às leis básicas da vida. Não são apenas os seres humanos os destinatários da água, mas também todos os outros seres vivos. Todas as formas de vida dependem da água e não existe vida onde não há água. Por isso, não se pode separar água e vida. O tema e o lema se justificam principalmente por causa dos gigantescos problemas que, não só o Brasil, como também todo o mundo, enfrentam diante dessa questão. A saúde depende da água. A cada ano morrem dois milhões de crianças por doenças causadas por água contaminada. No Brasil, 20% da população brasileira não tem acesso á água potável, 40% da água das torneiras não tem confiabilidade, 50% das casas não têm coleta de esgotos e 80% do esgoto coletado é lançado diretamente nos rios sem qualquer tipo de tratamento. A ONU afirma que a situação vai piorar e vê um futuro assustador. Até 2025, 40% da humanidade terá problemas de água. Poluir as águas, danificar os rios, os lençóis subterrâneos, destruir as nascentes, depredar os mangues significa atentar contra todas as formas de vida. Nesse sentido, a água tem uma dimensão vital e sagrada que precisa ser cultivada e não podemos permitir que ela se perca. É da responsabilidade de cada pessoa zelar pela qualidade de nossas águas e pelo acesso de todos a ela.

No ´Agir´ o texto-base da CF 2004 inova ao afirmar os ‘múltiplos valores da água’, para além de seus ‘múltiplos usos’, pois afirma que o valor supremo da água é o biológico, seguido de seu valor social, quando o que se vê hoje é o discurso sobre o valor econômico da água. Faz uma análise do que é real e o que é ideológico no discurso sobre escassez, valor econômico, privatização, mercantilização, guerra pela água, etc. Propõe também uma revisão sobre os fundamentos da Lei Nacional de Recursos Hídricos para que seja, de fato, uma lei do Patrimônio Hídrico Brasileiro e não apenas uma lei reducionista de recursos hídricos.

No ‘Julgar’ reflete a questão do ponto de vista das religiões, do bíblico e da ética, mostrando o princípio do cuidado, da solidariedade e da co-responsabilidade. O desafio da água é universal, transcende todas as fronteiras e desafia todos os seres humanos. Ninguém, absolutamente ninguém, está imune aos seus impactos.

No ‘Agir’, a Campanha da Fraternidade apresenta sugestões práticas para responder aos cinco objetivos específicos. Começa propondo conhecer a realidade hídrica do Brasil, a partir do conhecimento de sua realidade local, apresentando um questionário, no seu anexo 1, que ajudará no conhecimento da água que consumimos, e que por ela cuidemos. Propõe uma articulação de todos os setores da sociedade em defesa dessa essência da vida biológica e apoio as iniciativas já existentes. Propõe ainda uma série de ações na linha da sensibilização, do conhecimento, do cuidado, do compromisso e da solidariedade para com os sem água, na mudança da política hídrica, numa nova mística da água, e assim por diante. As comunidades poderão apresentar outras iniciativas.

A Campanha da Fraternidade se expressa concretamente pelo gesto fraterno da coleta da solidariedade. É um gesto concreto em âmbito nacional, realizado em todas as comunidades cristãs, colégios católicos, paróquias e dioceses, que acontece no Domingo de Ramos. As ações são direcionadas aos segmentos excluídos da sociedade que estão em situação de risco. 60% constituem o Fundo Diocesano de Solidariedade e 40% constituem o Fundo Nacional da Solidariedade. A Cáritas Brasileira é o organismo da CNBB responsável pela administração do Fundo Nacional de Solidariedade (FNS). A gestão e aprovação dos projetos estão a cargo do Conselho Gestor do Fundo Nacional de Solidariedade, nomeado pela Presidência e Conselho Episcopal de Pastoral da CNBB, com aprovação do Conselho Permanente. Sejamos solidários e generosos na coleta de Domingo de Ramos, pois é o nosso gesto concreto da Campanha da Fraternidade. Água, fonte de vida.

côn. José Carlos Dias Toffoli