FALTA  DE  ÁGUA  POTÁVEL

Devido à falta de água potável nos domicílios, crianças e adolescentes de todo o mundo em desenvolvimento padecem de doenças que poderiam ser evitadas, disse hoje o UNICEF, acrescentando que milhões de meninas são desencorajadas a estudar devido à ausência de instalações sanitárias nas escolas.

O UNICEF disse ainda que doenças transmitidas por água contaminada causam a morte de 1,6 milhão de crianças pequenas todos os anos. A ausência de instalações higiênicas para meninas e meninos, separadas, nas escolas, obriga, muitas vezes, às meninas a abandonar o ensino fundamental. Dos 120 milhões de meninos e meninas em idade escolar, a maioria é de meninas.

“Esta falta de acesso à educação básica relega meninas à pobreza ou a depender de outros em etapas posteriores de sua vida”, disse Carol Bellamy, Diretora Executiva do UNICEF.

Milhões de crianças sofrem de infecções intestinais produzidas por vermes e parasitas. Todos os anos, 19,5 milhões de pessoas são contaminadas por lombrigas e tricuros, e a maior taxa de contaminação dá-se entre crianças em idade escolar. Além disso, todos os anos, cerca de 118,9 milhões de meninas e meninos com menos de 15 anos de idade sofrem de esquistossomose, uma enfermidade causada por um parasita conhecido como esquistossoma. Os parasitas consomem nutrientes, o que agrava a desnutrição e atrasa o desenvolvimento físico das crianças, causando baixa freqüência e baixo rendimento escolar.

“O dinheiro necessário para proporcionar serviços de água e saneamento básico é muito pouco comparado com os dividendos que gera”, afirmou Carol Bellamy, que exortou os governos a investir mais em água potável e na proteção de nascentes.

O UNICEF disse que vários estudos têm demonstrado que para cada um dólar investido na infância – incluindo os fundos para melhorar o acesso à água potável e ao saneamento básico – sete dólares serão economizados, a longo prazo, em serviços públicos.

“Ao proporcionar água potável e saneamento aos cidadãos mais pobres do planeta, podemos reduzir a pobreza e o sofrimento, e assegurar a educação de todas as crianças”, declarou a Diretora Executiva do UNICEF.

Carol Bellamy participará do Terceiro Fórum Mundial da Água, que reunirá líderes, especialistas e crianças em uma série de conferências que serão realizadas no Japão de 16 a 23 de março. O Dia Mundial da Água é celebrado em 22 de março.

Durante a conferência, o UNICEF fará todo o possível para assegurar que as crianças tenham voz na solução desses problemas; para tanto, será um dos patrocinadores do Fórum Infantil Mundial da Água, que será realizado nos dias 20 e 21 de março em Shiga, no Japão. Cerca de 100 crianças de países desenvolvidos e em desenvolvimento debatarão seu papel como força para a mudança nas questões que envolvem água e saneamento. Representantes desse fórum apresentarão suas conclusões às pessoas encarregadas de tomar decisões, presentes à Conferência Ministerial, que ocorrerá em 22 e 23 de março. A Holanda e a ONG japonesa Network ofereceram os fundos para a realização desse Fórum Infantil.

O Terceiro Fórum Mundial da Água é também um passo em direção ao cumprimento de metas aprovadas na Cúpula sobre Desenvolvimento Sustentável em 2002. Líderes mundiais concordaram em reduzir pela metade, até 2015, o número de pessoas sem acesso a saneamento básico.

“Todos sabemos que a água potável é um recurso escasso em muitos lugares, freqüentemente um artigo altamente político”, observou Carol Bellamy. “Por isso, é fundamental que pensemos nesses recursos em relação a nossas crianças – não apenas para nossos próprios filhos e filhas, mas para todas as gerações futuras.”

O UNICEF E A ÁGUA E O SANEAMENTO

O UNICEF estabeleceu alianças e obteve a confiança do público mediante seu histórico de trabalhos em projetos de água e saneamento durante os últimos 35 anos. Na década de 60, o UNICEF respondeu as emergência relacionadas com a seca proporcionado perfurações rápidas e instalando poços com bombas de água. Nos anos 70, o UNICEF providenciou perfurações e sistemas alimentados pela gravidade, o que serviu para proteger as nascentes e os poços, e modernizar as fontes tradicionais de água nas áreas rurais. Durante a década de 80, o UNICEF enfatizou a necessidade de saneamento, educação em higiene, melhoria da participação comunitária e um aumento do papel da mulher em projeto de água e saneamento. Nos anos 90, o UNICEF modificou sua postura de mero prestador de serviços e centralizou suas ações na utilização, operação, manutenção e sustentabilidade

UNICEF - Nova Iorque – 10 de março de 2003